DIDA SAMPAIO/ESTADAO
DIDA SAMPAIO/ESTADAO

Oposição monta plenário paralelo em protesto pelo adiamento da votação da denúncia contra Temer

Ato faz parte do movimento dos opositores de não registrar presença na sessão, para tentar provocar seu adiamento

Igor Gadelha e Julia Lindner, O Estado de S. Paulo

25 de outubro de 2017 | 12h18

BRASÍLIA - Integrantes de partidos da oposição montaram nesta quarta-feira, 25, um plenário simbólico no Salão Verde da Câmara, em frente à entrada principal do plenário oficial. O ato faz parte do movimento dos opositores de não registrar presença na sessão, para tentar provocar o adiamento da votação da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR). 

+ Câmara precisa encerrar nesta quarta esse assunto, afirma Maia sobre denúncia

Mais cedo, deputados da oposição fizeram uma sessão paralela simbólica. Na pauta da “ordem do dia” deles era “dignidade”. Nos discursos, criticaram estratégia do governo Temer de distribuir cargos e liberar emendas individuais impositivas em troca de votos para barrar a denúncia na Câmara. Os opositores ainda estenderam no local uma faixa em que está escrito “Fora Temer”. 

+ Ao Vivo: Plenário vota segunda denúncia contra Temer e ministros

Para que a votação da denúncia comece de fato, é necessário que pelo menos 342 dos 513 deputados registrem presença no plenário. Até às 11h50 desta terça-feira, porém, pouco mais de 230 deputados tinham marcado presença. Partidos da oposição junto com a ala oposicionista do PSB reúnem cerca de 120 deputados. No entanto, outros deputados da base também participam do movimento de não registrar presença, entre eles, Jutahy Júnior (PSDB-BA).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.