Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Oposição marca novos atos contra Bolsonaro e tenta pressão por impeachment

Siglas de esquerda e movimentos sociais voltam às ruas em julho; em outra frente, rivais políticos preparam ‘super pedido’ de afastamento do presidente

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

22 de junho de 2021 | 18h57

Partidos de esquerda e movimentos sociais marcaram para o dia 24 de julho novos atos contra o governo Jair Bolsonaro. Segundo organizadores, a estratégia agora é ampliar a pressão para que o presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), abra um pedido de impeachment do presidente. O diagnóstico é de que a adesão aos protestos aumentou, na comparação com o que ocorreu no sábado, 19, em relação à manifestação de maio.

“Queremos forçar a Câmara a instaurar o pedido de impeachment e dar apoio à CPI (da Covid)”, disse coordenador da Central de Movimentos Populares e um dos líderes do movimento, Raimundo Bonfim. As bandeiras principais continuarão sendo o auxílio emergencial de R$ 600, a vacina e o ‘fora Bolsonaro’.

Em outra frente, parlamentares e advogados de todo o espectro político se reunirão de forma virtual nesta quinta-feira, 24, para bater o martelo sobre um documento que pretende unificar os 122 pedidos de impeachment que foram protocolados na Câmara.

A iniciativa surgiu durante reunião, em abril, na qual estiveram presentes antigos adversários políticos como os deputados Kim Kataguiri (DEM-SP), Joice Hasselmann (sem partido), Alexandre Frota (PSDB),  parlamentares do PT, PSB, PDT e PCdoB e o presidente do PSOL, Juliano Medeiros.  Na ocasião, ficou definido que advogados da Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD) iriam elaborar o “super pedido”.

“Essa iniciativa diz mais sobre o posicionamento das pessoas do que dos partidos. Naturalmente esperam que essa união venha mais da oposição de esquerda, mas há pessoas da direita, como eu e o Kim. O projeto de impeachment é do País. Isso não pode ser transformado em uma pauta ideológica”, disse Joice Hasselmann, que confirmou presença no evento. 

Segundo a advogada Tânia Oliveira, da executiva da ABJD, a ideia é estabelecer uma data para protocolar o pedido na Câmara antes do recesso parlamentar, que começa dia 15 de julho, e promover atos para projetar a iniciativa e pressionar Lira. Em entrevista ao jornal O Globo na terça-feira, 22,  o presidente da Câmara afirmou que a cifra de mortos pela covid-19 não é motivo suficiente para pautar o impeachment do presidente e que falta “circunstância política” para desengavetar um dos pedidos.

“O PSOL estará presente e apoiou a versão final. O centro da peça será a questão sanitária”, afirmou Juliano Medeiros, presidente da sigla. Segundo Tânia Oliveira, o documento é uma “síntese” dos 122 pedidos protocolados.

O “super pedido” vai englobar os ataques aos povos indígenas, à imprensa, e os atos antidemocráticos, mas o centro do documento será a pandemia: a tese da imunidade rebanho, compra de cloroquina e ações para boicotar as vacinas. Em suma, serão os temas tratados na CPI da Covid do Senado tratados até aqui.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.