André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Oposição já planeja pedir quebra de sigilo bancário de Dirceu à CPI da Petrobrás

Antes mesmo de a comissão ser instalada, PPS prepara lista de requerimentos e convocações a ex-ministro citado na Lava Jato

DAIENE CARDOSO, O Estado de S. Paulo

13 Fevereiro 2015 | 14h17

Brasília - Mal a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobrás foi criada na Câmara dos Deputados, a oposição já prepara uma lista de pedidos e convocações que serão protocoladas depois do Carnaval, quando a comissão será instalada. Nesta sexta-feira, 13, o PPS informou que pedirá a quebra dos sigilos bancário, fiscal, telefônico e telemático do ex-ministro José Dirceu e das empresas onde atua como sócio.

O anúncio do PPS ocorre após o depoimento do doleiro Alberto Youssef, em que ele acusa Dirceu e o ex-ministro Antonio Palocci de serem "as ligações" do lobista e operador de propina na Petrobrás Júlio Camargo com o PT. O líder da bancada na Câmara, Rubens Bueno (PR), disse esperar que o PT não crie obstáculos à aprovação do pedido. "Seria uma chance de ele provar que, dessa vez, não é o chefe da quadrilha", provocou em nota.

O deputado disse que o partido já tem pronto os pedidos de quebra de sigilo de todas as empreiteiras e empresas fornecedoras da Petrobras que foram alvo da Operação Lava Jato. O partido vai protocolar os requerimentos de convocação e a quebra dos sigilos do tesoureiro nacional do PT, João Vaccari Neto, e do ex-diretor de serviços da estatal, Renato Duque.

O PSDB também prepara requerimentos à CPI e um dos primeiros alvos é o novo presidente da Petrobrás, Aldemir Bendine. O tucano Otávio Leite (RJ) pedirá a convocação de Bendine e da direção da Alumini Engenharia, responsável pelas obras do Comperj.

Mais conteúdo sobre:
CPI da Petrobrás Câmara PPS José Dirceu

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.