Oposição insistirá em convocação e CPI no caso Palocci

Insatisfeita com as explicações dadas por Antonio Palocci sobre a multiplicação de seu patrimônio em 20 vezes nos últimos quatro anos, os partidos de oposição vão insistir na convocação do ministro-chefe da Casa Civil na Câmara e no Senado. Só em 2010 ele faturou R$ 20 milhões com a empresa de consultoria, a Projeto. Ao mesmo tempo, a oposição tenta obter as assinaturas para a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o ministro.

EUGÊNIA LOPES E ROSA COSTA, Agência Estado

05 de junho de 2011 | 19h34

A avaliação da oposição e da base é que a situação de Palocci se agravou ainda mais com a denúncia publicada pela revista Veja de que o apartamento de 640 metros quadrados que o ministro aluga, em São Paulo, seria de empresa dirigida por laranjas - um deles de 23 anos e o outro de 17. "Isso complicou a situação dele", admitiu o senador Eunício Oliveira (PMDB-CE). "Cada hora ele tem de dar uma explicação", completou.

Presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), Eunício disse que vai pôr em votação na quarta-feira os dois requerimentos de convocação de Palocci. "Não vou ficar mal com os meus colegas porque o governo não põe gente lá na CCJ", afirmou. Eunício defendeu que o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, decida logo sobre a abertura ou não de inquérito para investigar o ministro.

Além da convocação, a oposição trabalha com a hipótese de obter assinaturas para a criação da CPI. O otimismo é maior no Senado, onde já foram obtidas 19 adesões à comissão - são necessárias 27 assinaturas de senadores. "Como a entrevista do ministro foi deplorável, e agora com essa história do apartamento, a nossa esperança é que vários senadores assinem o pedido de CPI", disse o líder do PSDB, senador Alvaro Dias (PR).

Na Câmara, a estratégia da oposição é tentar manter a convocação de Palocci aprovada na semana passada na Comissão de Agricultura. O líder do DEM, deputado Antonio Carlos Magalhães Neto (BA), afirmou que vai recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) caso o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), decida anular a votação que aprovou a convocação. "Vamos entrar com um mandado de segurança com pedido de liminar no Supremo para fazer valer essa convocação do Palocci. Não aceitamos fazer uma nova votação", disse ACM Neto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.