Oposição fura o cerco e Dilma terá de explicar dossiê no Senado

Senadores da base protestam, dizendo que comissão de infra-estrutura está sendo 'instrumentalizada' pelo PSDB

Rosa Costa, de O Estado de S.Paulo

15 de abril de 2008 | 15h43

A Comissão de Serviços de Infra-Estrutura, do Senado, aprovou nesta terça-feira, 15, requerimento de autoria do senador Mário Couto (PSDB-PA) convocando a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, para falar sobre um dossiê que teria sido produzido no gabinete dela sobre gastos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso com Cartões Corporativos da Presidência da República. No dia 3, na mesma comissão, os oposicionistas aprovaram requerimento semelhante, aproveitando a ausência dos governistas - como aconteceu nesta tarde -, convocando a ministra falar sobre obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).  Veja também: Vazamento de dossiê contra FHC abre guerra dentro da Casa CivilDossiê FHC: o que dizem governo e oposiçãoPF pede a governo dados sobre segurança da Casa CivilPF abre inquérito para apurar vazamento de dados de FHCDossiê com dados do ex-presidente FHC  Entenda a crise dos cartões corporativos   Surpreendida pela iniciativa da oposição, a líder do bloco do governo, senadora Ideli Salvatti (PT-SC), protestou, afirmando que a Comissão de Infra-Estrutura está sendo "instrumentalizada" pelo PSDB. No dia 3, o requerimento aprovado na ausência dos governistas também era de autoria de um senador do PSDB: Flexa Ribeiro (do Pará, como Couto). E outro tucano, o senador Marconi Perillo (GO), apresentou naquela ocasião um aditamento incluindo o tema do dossiê na pauta de assuntos a serem abordados por Dilma no depoimento, mas o retirou pouco depois. Dilma comunicou à comissão que comparecerá após o dia 29, para falar sobre o PAC e sobre o andamento da construção da Usina Hidrelétrica Belo Monte (no Pará). O líder do governo no Senado, senador Romero Jucá (PMDB-RR), também protestou contra a aprovação do novo requerimento e apresentou dois outros - um deles transformando em convite a convocação de Dilma aprovada no dia 3 e o outro recorrendo ao plenário da Casa para tornar sem efeito a convocação da ministra aprovada nesta terça. Acordo Mais cedo, governistas e oposicionistas fecharam um  acordo para dar uma sobrevida aos trabalhos da Comissão Parlamentar Mista (CPI) de Inquérito dos cartões encarregada de investigar denúncias de irregularidades no uso dos cartões da Presidência da República. Em razão do acordo, a expectativa no Congresso, agora, é de que nem chegue a ser instalada a recém criada CPI exclusiva do Senado sobre os cartões.   Pelo entendimento, os parlamentares da base aliada ao governo concordaram em aprovar requerimento que permita à CPI ter acesso a dados sigilosos em poder do Tribunal de Contas da União (TCU) referentes a gastos de altos servidores da Presidência da República. São dados relativos ao governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ao do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. O TCU é um órgão auxiliar do Poder Legislativo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.