Oposição ficou 'furiosa' com pesquisa CNI/Ibope, diz Lula

Pesquisa divulgada na quinta apontou popularidade recorde do presidente desde sua primeira posse

RICARDO RODRIGUES, Agencia Estado

28 de março de 2008 | 15h32

Em uma crítica à oposição, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta sexta-feira, 28,  no seu discurso na cidade de Delmiro Gouveia, a 330 quilômetros de Maceió, que "os que destilam o ódio devem ter ficado furiosos" com o resultado da pesquisa CNI/Ibope, divulgada na quinta, que apontou avaliação positiva de seu governo para 58% dos entrevistados.   Veja também:    Economia faz disparar popularidade de Lula  48% acham a reforma tributária importante Lula mandou um recado para a oposição, dizendo que "é preciso fazer política sem partidarizar as decisões". Depois, anunciou que as obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) irão beneficiar tanto os Estados e municípios governados pelo PT como aqueles governados pela oposição.Lula participou nesta sexta do lançamento do projeto Territórios da Cidadania, que beneficiará três municípios de Alagoas em regiões pólos do Estado: no agreste, no sertão e no litoral norte. Ao lado do governador Teotonio Vilela Filho (PSDB), Lula exemplificou a necessidade de não adotar partidarismo na hora de realizar obras. "Não quero saber de partido, mas quais os compromissos que ele (o governante) tem com o povo. A relação que eu tenho com o governador tucano Teotonio Vilela é institucional. Mesmo ele sendo de um partido de oposição, não posso deixar de atender suas reivindicações", disse."Nunca, desde o descobrimento do Brasil, se fez tanto pelo Nordeste brasileiro como no meu governo", afirmou Lula, que criticou os governos anteriores, acusando-os de tratarem "o nordestino de forma preconceituosa e discriminatória". Além de Lula e Vilela, participaram da cerimônia o prefeito de Delmiro Gouveia, José Cazuza (PSB), o ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima, e o senador Renan Calheiros (PMDB-AL). Tanto Geddel quanto Renan foram vaiados ao fazerem discursos.Vilela começou o seu discurso citando uma frase do seu pai, o ex-senador Teotônio Vilela. "Se os amigos não mandarem flores, os inimigos não vão mandar nunca". Vilela completou dizendo que Alagoas oferece flores para Lula e que o presidente, como nordestino, é um amigo do Estado.   O governador explicou ainda que o canal do sertão, cujas as obras foram visitadas pelo presidente Lula, terá assegurada uma verba de R$ 600 milhões para a execução da sua primeira etapa, que representa 45 dos 250 quilômetros de todo o canal. Segundo Vilela, a obra será concluída em 2017 e deverá beneficiar 32 municípios da região do sertão e da capital, com distribuição de água para consumo, irrigação e alimentação de animais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.