Oposição do PMDB justifica recusa ao encontro com Lula

Três dos seis senadores do PMDB que se declaram de oposição ao governo federal - Jarbas Vasconcelos ( PE), Garibaldi Alves (RN) e Joaquim Roriz (DF) - fizeram duas objeções para recusar o convite do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, marcado para esta terça-feira, no Palácio do Planalto. Eles não querem se antecipar ao Conselho Político do partido, convocado para quinta-feira; e só aceitam comparecer ao Planalto como bloco e não divididos. O convite de Lula para a audiência foi feito apenas a Jarbas, Garibaldi e Roriz e, portanto, não incluiu os senadores Almeida Lima (SE), Geraldo Mesquita (AC) e Mão Santa (PI), que também integram o bloco. "Acredito que é mais apropriado que o encontro com o presidente Lula aconteça após a reunião do Conselho", disse Jarbas, depois de trocar telefonemas com Garibaldi e Roriz, que também haviam sido procurados pelo Planalto. O encontro estava marcado para às 16 horas, mas foi obrigado a adiar diante das ponderações dos próprios senadores. Oficialmente, Jarbas alegou que só estaria em Brasília na quinta-feira.Ele participará da reunião do Conselho Político do PMDB e conversará com o senador Pedro Simon (PMDB-RS) para convidá-lo a integrar oficialmente do bloco. O ex-governador de Pernambuco ressaltou sua disposição de fazer oposição. "Respeitamos a posição majoritária do PMDB, mas ficamos no campo de oposição atuando de forma independente, sem apoio sistemático. Vamos trabalhar para aperfeiçoar e votar as propostas que consideramos importantes como a reforma política e medidas econômicas destinadas ao crescimento", enfatizou Jarbas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.