Oposição diz ter apoio para suspender recesso na Câmara do DF

Segundo a líder do PT, são necessárias apenas oito assinaturas para que a autoconvocação seja aprovada

estadao.com.br,

15 de dezembro de 2009 | 11h14

A oposição diz já ter as assinaturas necessárias para que a Câmara Legislativa do Distrito Federal funcione durante o recesso parlamentar de fim de ano. Os deputados oposicionistas querem apurar as denúncias contra o governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda (DEM).

 

Veja Também

linkCâmara do DF notifica deputados acusados em esquema de mensalão

linkPF adia entrega de relatório da Caixa de Pandora ao STJ

linkArruda decide antecipar pagamentos no Distrito Federal

linkOAB protocola pedido de cassação contra três deputados no DF

linkDeputada suspeita desconversa sobre cassação

lista Veja tudo o que foi publicado sobre o mensalão do DEM

 

De acordo com a líder do PT na Casa, deputada Érika Kokai, o requerimento da Câmara estabelece que são necessárias apenas oito assinaturas para que a autoconvocação seja aprovada. A Câmara é composta por 24 deputados distritais.

 

"Já temos estas assinaturas e, portanto, temos as condições legais para suspender o recesso. Só que o requerimento só pode ser apresentado após o recesso ser instaurado", explicou a deputada, afirmando que, se depender da oposição, a Lei Orçamentária para 2010 não será votada nesta terça-feira, 15, impedindo o início do recesso legislativo.

 

"Achamos que precisamos de mais tempo para analisar o orçamento já que não podemos correr o risco de destinar recursos para ações desenvolvidas por empresas que aparecem no vídeo entregando pacotes de dinheiro para do governo do Distrito Federal. E há algumas empresas que prestam serviços a diversas secretarias e nós vamos precisar pinçá-las uma a uma".

 

Com informações da Agência Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.