Oposição derrota o governo com apoio da base aliada

O governo sofreu hoje a primeira derrota na Comissão Especial que analisa a reforma da Previdência. Por 15 votos a favor, 14 contra e uma abstenção, a oposição conseguiu aprovar requerimento que prevê audiências públicas para discutir a proposta nas Assembléias Legislativas de cinco Estados. O objetivo da oposição é tentar atrasar o calendário estabelecido pelo governo para a votação da reforma. A derrotada contou com a ajuda dos votos da base aliada: um do PL, um do PCdoB, outro do PT e o último do PDT, além da ausência de quatro titulares do PMDB.O líder do governo na Câmara, deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), afirmou que não haverá atraso no cronograma, porque as audiências deverão ser realizadas às segundas e sextas-feiras, dias em que a comissão não funciona em Brasília. "Na hora em que o relator da reforma apresentar o seu parecer, todas as audiências automaticamente caducam", disse. Rebelo minimizou a derrota argumentando que esta era uma "votação secundária". "Estamos apenas no treino". "O governo estava atento, mas não conseguiu mobilizar a sua base", disse o presidente da comissão, deputado Roberto Brant (PFL-MG). A decisão final sobre a realização de debates nas assembléias depende da aprovação do presidente da Câmara, deputado João Paulo Cunha (PT-SP). Os Estados escolhidos são: Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, São Paulo, Mato Grosso do Sul e Bahia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.