Oposição defende saída de Carlos Lupi do Ministério

Na semana em que o governo tenta votar, em primeiro turno, a prorrogação da emenda constitucional da Desvinculação das Receitas da União (DRU), os partidos de oposição na Câmara defenderam hoje a demissão do ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi (PDT). A oposição vai tentar ainda convocar o ministro para dar explicações sobre a denúncia publicada na revista Veja, segundo a qual assessores de Lupi cobrariam propina de 5% a 15% a ONGs contratadas para oferecerem cursos de capacitação.

EUGÊNIA LOPES, Agência Estado

06 de novembro de 2011 | 19h01

Mal denúncias foram publicadas, Lupi determinou a abertura de uma investigação interna e afastou o coordenador-geral de qualificação do Ministério, Anderson Alexandre dos Santos. Apesar de ter agido rápido, o governo não está certo se a demissão do assessor vai pôr um ponto final no caso. "Não sei se resolve essa demissão. Agora, isso não tem nada a ver com a DRU", afirmou ontem o líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP).

Em nota, o PSDB defendeu o afastamento de Lupi do Ministério. "Uma das atribuições do ministro Lupi é gerir o dinheiro que é recolhido do trabalhador para promover o emprego. Pelas sucessivas denúncias que estão sendo feitas, parte desses recursos ou está sendo desviada ou está abastecendo os cofres partidários. Ou seja, o dinheiro que o governo tira do cidadão está indo para o ralo, prejudicando o trabalhador", diz a nota assinada pelo líder tucano na Câmara, Duarte Nogueira (SP).

Em sua avaliação, a demissão do assessor e as investigações propostas por Lupi não são suficientes. "O mais correto e transparente é que o ministro se afaste do ministério para não comprometer ou dificultar as investigações. Se nada for comprovado, ele poderá retornar ao cargo", observou o líder.

Já o PPS vai pedir hoje à Procuradoria Geral da República a abertura de inquérito para investigar o suposto esquema de pagamento de propina no Ministério do Trabalho. "Virou prática na Esplanada dos Ministérios a montagem de balcões de propina para cobrar ''pedágio'' das empresas que assinam contratos com o governo. É uma corrupção desenfreada que, quando o dinheiro público não vai direto para o bolso de ministros e assessores, acaba parando no caixa dois de partidos. Esperamos que, como no caso do Ministério do Esporte, o procurador Roberto Gurgel aja rápido e consiga no Supremo a autorização para a abertura de inquérito", disse o líder do PPS na Câmara, Rubens Bueno (PR).

O PPS também quer que os dirigentes das duas ONGs - Instituto Êpa e Oxigênio - sejam ouvidos em depoimento na Câmara. "Na sequência vamos convocar o ministro e seus assessores acusados de operacionalizar o esquema", afirmou o líder do PPS. Além do ministro e do assessor Anderson, o partido também quer ouvir em audiência pública o ex-assessor e hoje deputado Weverton Rocha (PDT- PA) e o ex-chefe de gabinete do Ministério Marcelo Panella.

#ET

Tudo o que sabemos sobre:
denúnciasLupioposição

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.