Oposição decide obstruir votação de MPs

A oposição decidiu obstruir a votação das medidas provisórias na sessão do Congresso marcada para terça-feira, dia 2. A iniciativa, que poderá ser estendida também às votações da Câmara na próxima semana, é uma revanche pela ofensiva do governo para impedir a instalação da CPI da corrupção. Além disso, os deputados oposicionistas reclamam que a base governista não quer sequer discutir as pendências ainda existentes sobre a votação da proposta de emenda constitucional que disciplina o uso de MPs pelo Executivo. A votação da PEC foi marcada pelo presidente da Câmara, Aécio Neves (PSDB-MG), para o dia 25 de abril.Hoje, a oposição se recusou a participar da reunião para decidir quais as MPs que devem ser votadas na terça. "Quem mais tem cooperado com o governo para votar essas MPs tem sido a oposição, que não deixa de dar quórum nas sessões do Congresso, mas não há nenhum retorno", reclamou o líder do PT na Câmara, deputado Walter Pinheiro (PT-BA). O deputado protesta pelo fato de o governo e seus articuladores políticos estarem se pronunciado contra a CPI e impedindo o aumento de assinaturas para possibilitar sua criação.Pinheiro afirmou ainda que a oposição propôs aos líderes governistas conversar sobre a PEC que limita a edição de medidas provisórias, resolver os pontos pendentes, e só depois começar a votação das MPs em pauta. Os líderes do governo no Congresso não aceitaram. "O governo não quer sequer conversar, por isso nós continuamos incrédulos frente à data marcada pelo presidente da Câmara, dia 25, para a votação da PEC das MPs", argumentou Pinheiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.