Oposição critica presidente do Supremo; PT defende

O presidente da CPI dos Bingos, senador Efraim Morais (PFL-PB), foi à tribuna do Senado para criticar a decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Nelson Jobim, de conceder liminar proibindo a comissão de quebrar o sigilo bancário do presidente do Sebrae, Paulo Okamotto."O que nós queremos é ter o direito de investigar. Nós temos informações de que eles não falaram a verdade", disse Efraim, referindo-se Okamotto e outras pessoas que prestaram depoimento na CPI. O presidente do Sebrae disse à CPI que pagou de seu próprio bolso uma dívida de R$ 29,4 mil do presidente Luiz Inácio Lula da Silva com o PT.Outros senadores, como os líderes do PSDB, Arthur Virgílio (AM), e do PFL, José Agripino (RN), também criticaram a decisão de Jobim. "Nós precisamos saber a origem do dinheiro do empréstimo de Okamotto para Lula", disse Agripino.A senadora Ideli Salvatti (PT-SC), e o senador Eduardo Suplicy (PT-SP) defenderam o presidente do STF. "O ministro Jobim muitas vezes tomou decisões contrárias ao governo e, portanto, toma decisões para fazer valer a Constituição", disse Suplicy. Ideli lembrou que quando o STF tomou decisão possibilitando a CPI dos Bingos, a oposição apoiou a medida.Antes da sessão, o senador Efraim e o relator da CPI, senador Garibaldi Alves (PMDB-RN), disseram que pretendem marcar audiência com o presidente do STF para discutir a liminar que impediu a quebra do sigilo de Okamotto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.