Oposição critica presença de embaixador em ato do PT

Os presidentes do PSDB, DEM e PPS repudiaram a participação do embaixador da Venezuela, Maximilien Sánchez Averláiz, em um ato organizado na terça-feira (05) pelo PT de Brasília para manifestar apoio ao ex-ministro José Dirceu, condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por corrupção ativa e formação de quadrilha no processo do mensalão.

JOÃO DOMINGOS, Agência Estado

06 de fevereiro de 2013 | 19h17

Durante a manifestação foram feitas críticas ao STF por ter sentenciado Dirceu a 10 anos e 10 meses de prisão. Dirceu disse em seu longo discurso para cerca de 550 petistas que lotaram o Auditório da Câmara Legislativa, que a decisão do STF, que condenou ele e outros parlamentares, ex-parlamentares, banqueiros e publicitários, foi política. Depois do discurso, e já de saída, ele disse numa entrevista que esgotará todos os recursos aos quais tem direito.

Para o presidente nacional do PPS, deputado federal Roberto Freire (SP), trata-se de clara ingerência do embaixador da Venezuela em assunto interno do Brasil. "Desde jovem, quando militante da juventude comunista, em inúmeras oportunidades protestei, na ditadura, contra a interferência da embaixada americana em assuntos internos brasileiros. Sempre, e em outros governos, me insurgi contra essas interferências. É um absurdo essa postura de um embaixador estrangeiro participar de um ato que tenta desqualificar uma sentença da suprema corte brasileira", afirmou ele.

Em nota assinada por Freire e também pelos presidentes do PSDB, deputado Sérgio Guerra (PE), e do DEM, senador José Agripino (RN), os partidos de oposição afirmam que exigirão, no Congresso, "explicações do chanceler brasileiro Antônio Patriota sobre a omissão do governo da presidente Dilma Rousseff diante de um episódio de tamanha gravidade".

Durante o ato, Dirceu convocou os militantes do partido a defender os petistas condenados pelo esquema do mensalão da mesma forma que defendem o governo da presidente Dilma Rousseff, a reeleição dela e a reforma política para a aprovação do financiamento público de campanha e do voto em listas. Também durante o evento, um representante da juventude petista de Brasília anunciou que na semana passada foi entregue à Organização dos Estados Americanos (OEA), em Washington, uma denúncia contra o STF, por desrespeito aos direitos humanos e ao direito de defesa dos acusados no processo do mensalão.

Tudo o que sabemos sobre:
atoPTVenezuelaoposição

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.