Oposição critica ida de Garcia para missão na Colômbia

Parlamentares de oposição criticaram o presidente Luiz Inácio Lula da Silva por ter escalado o assessor especial da Presidência Marco Aurélio Garcia para acompanhar a tentativa de libertação dos reféns das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) no lugar de diplomatas do Ministério das Relações Exteriores. "É lamentável que o Brasil tenha enviado para essa operação um funcionário burocrático da Presidência da República preterindo o Itamaraty, que é encarregado da política externa do Brasil", afirmou o presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, Heráclito Fortes (DEM-PI)."Já é tempo de nós tomarmos juízo na política externa e passar a fazê-la apenas pelos canais oficiais. O secretário Garcia, com tendência de integração bolivariana, não acrescenta nada à política oficial feita pelos canais competentes. Só atrapalha, só confunde", disse Heráclito. O deputado Raul Jungmann (PPS-PE), integrante da Comissão de Relações Exteriores da Câmara, também criticou. "É lamentável que o Brasil tenha contribuído com essa iniciativa midiática sem analisar os riscos", disse.O deputado considerou que a escolha do representante brasileiro foi um "desprestígio" ao Itamaraty, que tem um quadro historicamente competente de diplomatas. "O governo terceirizou as relações externas na América Latina", constatou Jungmann, completando que o assessor Marco Aurélio Garcia sempre está à frente nas relações internacionais quando se trata de questões da América Latina. "É mais uma opção equivocada", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.