Oposição critica articulação do governo que garantiu vitória na CCJ

Deputados apontam trocas na composição da comissão, favorecimento de emendas parlamentares e outras ações

Rafael Moraes Moura, Julia Lindner, Daiene Cardoso e Renan Truffi, O Estado de S.Paulo

13 de julho de 2017 | 19h13

BRASÍLIA - O deputado Henrique Fontana (PT-RS) criticou há pouco a articulação feita pelo governo para vencer a votação contra a denúncia da Procuradoria Geral da República na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. "É vergonhoso o que está sendo feito pelo governo Temer, que está usando todo o poder que tem como presidente, a despeito de uma denúncia extremamente consistente, assinada pelo procurador-geral da República", afirmou, numa referência às trocas na composição da comissão, favorecimento de emendas parlamentares e outras ações.

"Aqui trocou, entregou emendas, cargos, um verdadeiro jogo de vale-tudo e conseguiu vencer por 40 a 25 dentro de um colégio eleitoral totalmente artificial. Se o governo tivesse de fato base para sustentar Temer no poder, não teria feito as mudanças que fez aqui", afirmou, lembrando que no plenário, o governo não poderá trocar ninguém.

A deputada petista Maria do Rosário (RS) afirmou que "vitória comprada não conta" e reforçou o discurso de Fontana. "No plenário, não pode substituir ninguém. Os deputados têm de ser pressionados. Há indícios e provas (contra o presidente)." Segundo a deputada, o resultado da CCJ hoje foi uma "vergonha". "A troca de membros do CCJ é parte do jogo de corrupção onde está o próprio governo Temer", completou.

O deputado Alessandro Molon (Rede-RJ) afirmou que o momento de hoje "envergonha o parlamento brasileiro" e ressaltou que a superioridade numérica favorável ao governo na votação da CCJ se deve à manipulação do resultado, com as substituições dos membros da comissão. "Uma vergonha, triste para o País. Perdemos uma batalha, mas a guerra está longe de terminar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.