Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Oposição comemora presença de 66 deputados na sessão plenária desta sexta-feira

Com isso, a presidente Dilma tem agora um prazo de nove sessões em plenário para apresentar a sua defesa à comissão especial do impeachment

Julia Lindner, O Estado de S. Paulo

18 de março de 2016 | 12h18

Brasília - Deputados da oposição comemoraram a presença de 66 parlamentares na primeira sessão em plenário após a instalação da comissão de impeachment da presidente Dilma Rousseff - o número mínimo para o quórum para abrir a sessão seria 51 parlamentares. Com isso, a presidente Dilma tem agora um prazo de nove sessões em plenário para apresentar a sua defesa ao colegiado. O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), fez questão de abrir a sessão e agradecer a presença dos parlamentares, destacando a importância do momento para o País.

O líder do PSDB, Antonio Imbassahy (BA), e o líder do DEM, Pauderney Avelino (AM), afirmaram hoje que, até meados de abril, acreditam que será possível apresentar o processo no plenário da Câmara. Parlamentares contrários ao governo fizeram um acordo entre líderes partidários da oposição e alguns membros da base aliada para organizar uma espécie de "calendário de presença", no qual os deputados que defendem o impeachment vão se "revezar" nas sessões de segundas e sextas-feiras para garantir o quórum.

"Tenho convicção de que os deputados não vão faltar com as suas obrigações", afirmou o líder do PSDB, Antonio Imbassahy (BA). A partir da instalação da comissão, que aconteceu nesta terça-feira, 17, cada sessão no plenário da Casa que tiver o número mínimo de 51 parlamentares presentes será descontada do prazo de dez encontros para Dilma apresentar a sua defesa ao colegiado. O acordo hoje deu certo, com 66 parlamentares em plenário. "Isso significa mais um dia no avanço do processo de impeachment", afirmou o líder da sigla tucana.

O deputado Lucio Vieira Lima (PMDB-BA), que faz parte de uma corrente oposicionistas no partido, demonstrou otimismo sobre a presença dos deputados nas próximas sessões, que tradicionalmente não possui participação expressiva às sextas-feiras. Para ele, o que motivará a presença dos parlamentares será a pressão popular. Darcício Perondi (PMDB-RS), da mesma frente de Lucio na sigla, disse que "está bem próximo do PMDB desembarcar desse governo". "Se ela tiver grandeza, ela renuncia", provocou Perondi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.