André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Oposição calcula já ter 35 nomes em chapa alternativa de Comissão do impeachment

O líder do DEM, Mendonça filho, acredita que chapa dissidente pode chegar a 39 nomes; oposicionista também comentou carta de Temer a Dilma e a interpretou como sinal claro de rompimento

Daniel Carvalho, O Estado de S.Paulo

08 de dezembro de 2015 | 11h11

BRASÍLIA - Deputados da oposição e governistas dissidentes reuniram-se na manhã desta terça-feira, 8, para discutir a composição da chapa alternativa que disputará com a governista a composição da Comissão Especial que decidirá sobre o impeachment da presidente Dilma Rousseff.

O grupo contabiliza ter 35 nomes de 11 partidos, que incluem oposicionistas (DEM, PPS, PSDB, SD e PSC), governistas (PP, PSD, PMDB e PTB), além dos nanicos PHS e PMB.

O líder do DEM, Mendonça Filho (PE), calcula que a chapa dissidente pode chegar a 39 nomes, caso atraia a indicação dos quatro representantes do PSB, que discute nesta manhã a chapa que integrará.

Pela manhã, deputados da oposição discutiam o nome que dariam à chapa. Houve sugestões de “Amo o Brasil”, “Chapa Ulysses” e “Chapa Tancredo”.

Carta de Temer. A respeito da carta enviada ontem à noite pelo vice-presidente Michel Temer à presidente Dilma Rousseff, a oposição diz ter analisado o texto como sinal claro de rompimento. “Politicamente falando, não tem como não interpretar de outra maneira”, disse Mendonça Filho.

Para o líder do DEM, o PMDB “foi massacrado dentro do governo” e a emissão da carta e seu vazamento só ocorreram em resposta às declarações feitas por Dilma pela manhã, quando ela disse confiar em Temer. “Ele foi provocado. De forma primária, a presidente o constrangeu ontem. O governo foi desleal com ele e com o PMDB”, disse Mendonça, para quem, se não fosse o PMDB, Dilma não teria sido eleita e o ajuste fiscal não teria sido aprovado no Congresso.

No texto vazado ontem à noite à imprensa, o vice diz que nunca teve a confiança da presidente e elencou episódios que, segundo ele, comprovam sua impressão. A carta foi recebida pelo Planalto como mais um passo do PMDB em direção ao rompimento do governo. Ontem, o então ministro da aviação civil, Eliseu Padilha, homem ligado ao vice, entregou ao governo sua carta de demissão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.