Oposição busca estratégia para enfraquecer governo

Um jantar reunindo parlamentares do PSDB e do Democratas selou na noite de ontem a consolidação da estratégia de ação das bancadas dos dois partidos na Câmara para tentar enfraquecer o governo federal. A ideia é ampliar a fiscalização sobre serviços públicos e defender medidas que beneficiem diretamente consumidores prejudicados por eventuais atos e omissões do governo da presidente Dilma Rousseff.

MARCELO DE MORAES, Agência Estado

02 de março de 2011 | 19h21

Dentro dessa estratégia, o alvo principal é a classe média, mas serão feitas ações que, calcula a oposição, poderão ter efeito sobre as camadas mais baixas da população. Uma das propostas é fazer uma espécie de blitz em hospitais públicos espalhados pelo País e denunciar o mal funcionamento.

"Essa conversa serviu para afinar nossa estratégia", confirma o líder do DEM na Câmara, deputado Antonio Carlos Magalhães Neto (BA). "Chegamos a um consenso de que é importante fiscalizarmos a prestação de serviços que o governo deixa de fazer e mostrar isso para a opinião pública. E isso pode ser feito, de fato, com essas visitas à hospitais públicos, por exemplo, expondo o que o governo deixa de realizar, mas acaba não sendo visto", diz.

O líder do PSDB na Câmara, deputado Duarte Nogueira (SP), também participou do encontro, realizado na casa do deputado Pauderney Avelino (DEM-AM), e concorda com a estratégia. "Queremos qualificar nossos argumentos como oposição. Precisamos ser mais substantivos e menos adjetivos. Aliás, o governo é que tem apelado para o adjetivismo ultimamente", avalia.

Duarte concorda que as "blitz" que a oposição pretende realizar poderão ter um efeito bastante positivo. "É importante fiscalizar os atos do governo ou a falta deles e oferecer esse material para a sociedade. Pretendemos sim dar visibilidade a isso, mostrando as imagens do que for encontrado", cita.

Para o presidente nacional do DEM, deputado Rodrigo Maia (RJ), essa estratégia pode garantir maior interação com a população. Ele lembra que o site do partido bateu seu recorde de acessos quando disponibilizou o modelo para entrada de ação pelos consumidores contra a Infraero por conta de prejuízos causados pelo apagão aéreo. "Esse tipo de reação recebe resposta imediata. É esse contato com a sociedade que a oposição precisa buscar", diz.

Tudo o que sabemos sobre:
Câmaraoposiçãogoverno

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.