Oposição baiana usará livro sobre ACM

Os deputados estaduais oposicionistas baianos decidiram obstruir os trabalhos da Assembléia Legislativa do Estado durante a convocação extraordinária iniciada ontem, de uma forma curiosa: ao invés de discursos enfadonhos para gastar o tempo, vão se revezar na leitura do livro Memórias das Trevas, do jornalista João Carlos Teixeira Gomes, que trata da trajetória política do presidente do Congresso, senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA).Segundo a deputada Moema Gramacho (PT) 16 dos 21 deputados da oposição já se comprometeram a realizar a estratégia sempre que o governo do Estado, que tem maioria na Casa (42 deputados) tentar aprovar projetos sem discussão, através do que se convencionou chamar "rolo compressor". Além do PT, os deputados oposicionistas são do PV, PC do B e PSDB.Os outros cinco considerados da oposição, do PMDB, ligados ao líder peemedebista, o deputado federal Geddel Vieira Lima (PMDB-BA), temem pressões e ainda não decidiram se engrossam as fileiras dos leitores do Memórias das Trevas. No final de semana, um editorial do jornal Correio da Bahia, da família de ACM, classificou o jornalista Teixeira Gomes de "uma personalidade doentia que guarda complexos desde o berço, agravados por outros mais recentes que, por decência jornalística, é preferível não revelar, tal a gravidade". Num outro trecho o editorial chama a obra de "livrório destinado ao lixo", por conter "relato de histórias fantasiosas, mentirosas, infamantes que há mais de 40 anos são repetidas sem o menor crédito junto ao povo baiano". Insinua ainda que dinheiro obtido com suposta corrupção existente na Superintendência para o Desenvolvimento da Amazônia (Sudam), Departamento Nacional de Estradas e Rodagens (DNER) e outros órgãos controlados pelo deputado Geddel e pelo senador Jáder Barbalho foi usado para a publicação e a promoção do livro, que contém críticas pesadas contra ACM.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.