Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

Oposição aprova obstrução para impedir votações na Câmara

Movimento é liderado pelo PT, mas conta com o apoio do PSOL, PCdoB, PDT e PSB; juntos, os cinco partidos somam mais de 100 deputados

Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

10 Abril 2018 | 18h13

BRASÍLIA - Após a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado na Operação Lava Jato, a oposição aprovou a obstrução dos trabalhos na Câmara dos Deputados. O movimento é liderado pelo PT, mas conta com o apoio do PSOL, PCdoB, PDT e PSB. Juntos, os cinco partidos somam mais de 100 deputados.

+ 'Sempre estaremos ao seu lado, firmes na luta', dizem governadores em carta para Lula

A estratégia é impedir as votações em plenário durante toda a semana. "Vamos fazer obstrução total", disse o líder do PCdoB na Câmara, deputado Orlando Silva (SP).

Além da prisão de Lula, os deputados da oposição dizem não concordar com a pauta que está no plenário, como o projeto que regulamenta o lobby. Na semana passada, o grupo já conseguiu impedir a votação das propostas na Câmara.

+ Justiça Federal abre execução da pena de Lula

Mais cedo, o PT também definiu as estratégias para a campanha a favor da liberdade de Lula.  Eles definiram que a bancada vai se revezar para garantir que ao menos um deputado esteja em Curitiba a cada dia.

+ Advogado diz que ficou 'perplexo' com argumento do PEN para retirar ação do STF

Os petistas também criticaram a decisão da Justiça de restringir as visitas a Lula. "Isso é um absurdo. Nada humanitário. Não vamos aceitar", disse a deputada Maria do Rosário  (PT-SP).

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.