Oposição acusa Dilma de 'encenação' durante visita ao túmulo de Tancredo

Em nota oficial, a direção das três legendas classificou a homenagem da petista como 'tardia e mal explicada'

Silvia Amorim - O Estado de S.Paulo

07 de abril de 2010 | 13h25

PSDB, DEM e PPS acusaram nesta quarta-feira, 7, a pré-candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, de fazer uma "encenação" com interesses eleitoreiros ao visitar o túmulo de Tancredo Neves em sua passagem ontem por Minas Gerais.

 

Veja também:

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gif Dilma diz que Lula realizou 'na prática' sonho de Tancredo Neves

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gif Associação entre Tancredo e governo Lula é 'forçada', diz Ricupero

 

Em nota oficial, divulgada no início desta tarde, a direção das três legendas classificou a homenagem da petista como "tardia e mal explicada". "A homenagem a Tancredo Neves se reduz a uma encenação com as marcas inconfundíveis da impostura e do oportunismo, presentes em outras passagens da carreira da neopetista Dilma Rousseff", afirma o texto.

 

Dilma, que cumpre ainda hoje agenda no Estado mineiro, depositou flores no túmulo de Tancredo e disse que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva realizou "na prática" o sonho do mineiro, avô do governador Aécio Neves.

 

Minas Gerais é o segundo maior colégio eleitoral do País. Nascida no Estado, Dilma fez carreira política no Rio Grande do Sul e tenta agora uma reaproximação com os mineiros.

 

A nota tucana diz ainda que o reconhecimento a Tancredo "chega com 25 anos de atraso e sem explicações devidas e nunca apresentadas todo esse tempo".

 

Também mira o PT. "O partido ao qual Dilma Rousseff aderiu recentemente, mas que hoje representa no nível mais alto, negou apoio a Tancredo Neves e ao pacto de transição democrática que sua candidatura presidencial possibilitou", segue o texto.

 

A nota lembra que o partido chegou a expulsar deputados que votaram no mineiro no colégio eleitoral. "Com a arrogância habitual, nem o PT, nem Dilma Rousseff, nem Lula da Silva jamais se retrataram por suas posições equivocadas e mesquinhas nesse passo decisivo da caminhada do Brasil rumo à democracia".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.