Opinião de FCH sobre aliança deve ser pensada, diz Serra

Em entrevista, ex-presidente disse que Kassab deveria encabeçar a a chapa PSDB-DEM para a prefeitura

Anne Warth, da AE

14 de janeiro de 2008 | 19h09

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), disse nesta segunda-feira, 14, que a opinião do ex-presidente tucano Fernando Henrique Cardoso - segundo a qual Gilberto Kassab (DEM) deveria encabeçar a chapa PSDB-DEM para a disputa à Prefeitura de São Paulo neste ano, enquanto o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) deveria abrir mão dessa disputa e se candidatar ao governo do Estado em 2010, ajudando a alavancar a eventual candidatura Serra à Presidência da República - deve ser levada em conta, ainda que haja posições favoráveis e contrárias a de FHC dentro do PSDB. "Uma opinião do presidente Fernando Henrique deve ser sempre levada em conta. Tem gente que pode estar de acordo ou desacordo, mas ela tem que ser respeitada, e também (deve-se respeitar) a idéia que ele tem de se ter uma visão estratégica a respeito de decisões dessa natureza", avaliou, após participar da abertura da Couromoda, no Pavilhão de Exposições do Anhembi, na capital paulista. "Uma opinião do FHC tem muito peso e deve ser debatida. Não é preciso que todo mundo esteja a favor ou contra. O que é preciso é respeitar essa opinião e discuti-la no âmbito interno", acrescentou, evitando revelar se é a favor ou contra a proposta do ex-presidente. O prefeito da capital paulista, Gilberto Kassab, também esteve na Couromoda e destacou que é candidato natural à reeleição, tendo em vista que exerce a função atualmente. Em nota, o presidente estadual do PSDB, deputado federal Antonio Carlos de Mendes Thame, corroborou a opinião de Serra e defendeu que as opiniões do ex-presidente FHC devem ser respeitadas. "O ex-presidente merece respeito, não só pela sua excepcional contribuição ao País, mas pelo fato de que suas opiniões, baseadas em acurado bom senso, na inteligência e em sua extraordinária experiência, sempre nos levam a reflexões sobre os rumos da política brasileira", disse. Para Mendes Thame, a proposta de FHC embute uma "lógica política inquestionável", já que, juntos, PSDB e DEM têm mais chances de vencer um adversário comum do PT do que isolados, onde cada legenda teria um candidato próprio à Prefeitura de São Paulo. "Muitas vezes, a lógica na política não prevalece, em decorrência de aspirações pessoais legítimas", ponderou o deputado. Embora tenha ressaltado que deve haver um esforço conjunto dos dois partidos para manter a aliança que levou Serra à Prefeitura de São Paulo em 2004, o deputado ressaltou que Alckmin tem todas as condições de ser um bom prefeito. "Se desejar candidatar-se e se o fizer, terá o apoio e o respaldo do PSDB", disse. "Por outro lado, o atual prefeito Gilberto Kassab também tem toda a legitimidade para postular a continuação da boa administração que vem fazendo", acrescentou, qualificando a administração de Kassab como de "indiscutível êxito". De acordo com Mendes Thame, a decisão sobre o futuro da aliança ficará apenas para maio ou junho deste ano. O deputado espera que, até lá, ambos os candidatos encontrem a "melhor solução para a população de São Paulo".

Mais conteúdo sobre:
Eleições 2008

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.