Operador nega envolvimento com fundos de pensão

Em depoimento à sub-relatoria de Fundos de Pensão da CPI dos Correios, o operador de mercado Lúcio Bolonha Funaro negou conhecer o ex-ministro José Dirceu e o ex-assessor especial da Casa Civil, Marcelo Sereno. No depoimento, ele afirmou que não fez transação ou operação de mercado para o PT. Garantiu ainda que não tem negócios com Fundos de Pensão. Funaro afirmou que o boato que corre no mercado financeiro é que João Vaccari, que foi presidente do Sindicato dos Bancários, e que é ligado ao ex-ministro Dirceu, é operador de três fundos de pensão : o da Petrus (dos funcionários da Petrobrás), da Previ (do Banco do Brasil) e da Funcef (da Caixa Econômica Federal). Segundo Funaro, os boatos no mercado apontam também Marcelo Sereno como responsável pela operação de fundos menores. "Veja bem: não estou afirmando nada. Estou apenas falando o que se comenta no mercado", observou. Proprietário da corretora Stocklos, Funaro é acusado de lavagem de dinheiro e de crime de evasão de divisas em operações que teriam sido feitas com fundos de pensão.

Agencia Estado,

08 de março de 2006 | 15h27

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.