Operação no Pará desocupa fazendas e prende 100

Exército participa de operação para desocupar 21 áreas invadidas por grileiros e ladrões de madeira

Carlos Mendes, do Estadão,

19 de novembro de 2007 | 21h03

O Exército fechou nesta segunda-feira, 19, a rodovia BR-158, entre Redenção e Santa Maria das Barreiras, no sul do Pará, para que as Polícias Militar e Civil pudessem cumprir decisão judicial de desocupação de 21 fazendas invadidas há vários meses por bandos armados financiados por grileiros de terra e ladrões de madeira.  Vinte e dois mandados de prisão foram assinados por juízes das varas agrárias da região. O alvo da operação, da qual participam cerca de 300 pessoas, quarenta veículos, dois helicópteros e um motoplanador da Polícia Militar, é o complexo da fazenda Forkilha, em Santa Maria das Barreiras, ocupado por 1.000 pessoas desde setembro.  Quem passa de carro, motocicleta ou ônibus pela estrada é obrigado a descer para revista. Até o final da tarde cerca de cem prisões haviam sido feitas. Armas de vários calibres e munição também foram apreendidas.  A área de 15 mil hectares da Forkilha é formada pelas fazendas Ninho das Garças, Sede, Bela Vista, Tatá, Soledade, Bacaba, Mato Dentro e Amoreiras, estas duas últimas passaram a se chamar Fazenda Manain. As fazendas são legalizadas e não há interesse dos órgãos fundiários em desapropriá-las para o programa de reforma agrária do governo federal.  Os fazendeiros da região mandaram no começo do mês uma carta ao ministro da Justiça, Tarso Genro, denunciando o que chamam de "clima de terrorismo, omissão e impunidade" dos criminosos. Além de expulsar os donos e funcionários das fazendas do complexo Forkilha, cuja sede virou espécie de quartel-general dos invasores, eles cobram taxas de agricultores e assentados no entorno da área com a falsa justificativa de oferecer segurança.  "São bandidos, não são trabalhadores sem terra, que criaram suas próprias leis e se aproveitam da ausência de segurança pública na região para intimidar, ameaçar e matar quem atravessa seu caminho", desabafou o fazendeiro Janides Fernandes. Ele disse que as decisões judiciais a favor da desocupação das fazendas não vinham sendo cumpridas pelo governo estadual. "Felizmente, as autoridades paraenses perceberam que esta situação não poderia continuar. Agora, o mais importante é manter os bandidos presos, porque se soltarem eles voltarão a atacar", alerta Fernandes.  Em nota, a Secretaria de Segurança Pública diz que a operação Paz no Campo é uma demonstração de que o governo paraense "não vai tolerar tentativas de poder paralelo que desrespeitem o estado de direito, a tranqüilidade democrática e a paz no campo e nas cidades". Por fim, ressalta que sempre "manterá diálogo" com os movimentos sociais organizados e legítimos, desde que resguardados sua autoridade e o estado de direito.

Tudo o que sabemos sobre:
Operação no Parágrileiros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.