Operação Martelo apura fraudes no Amazonas e Rondônia

Com o objetivo de combater organizações criminosas suspeitas de cometer fraudes em licitações, corrupção de servidores públicos e desvio de recursos públicos, foi deflagrada hoje (07) a "Operação Martelo". Em nota, a Receita Federal informa que as ações ocorrem simultaneamente nos municípios de Manaus e Parintins (AM) e em Porto Velho (RO). O texto ressalta também que os valores das fraudes superam o montante de R$ 40 milhões, envolvendo licitações e contratos públicos suspeitos de irregularidades.

AE, Agência Estado

07 de maio de 2013 | 11h10

A operação está sendo realizada conjuntamente pela Polícia Federal, Controladoria Geral União (CGU) e Receita Federal. A investigação apura indícios de prática de diversos crimes, tais como fraudes a licitações públicas, corrupção ativa e passiva, sonegação fiscal, lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e enriquecimento ilícito, supostamente cometidos pelos investigados.

A nota distribuída pela Receita informa que estão sendo cumpridos sete mandados de prisão temporária, 30 mandados de busca e apreensão nas empresas e residências dos suspeitos, 19 mandados de sequestro de bens móveis e três mandados de sequestro de bens imóveis. Participam da operação 20 servidores da Receita Federal, cerca de 150 policiais federais e 16 servidores da CGU.

Foi escolhido o termo "Martelo" para a operação em alusão ao instrumento de trabalho de leiloeiros e pregoeiros, considerando que os crimes investigados envolvem licitações públicas. Haverá entrevista coletiva às 15 horas de hoje na Superintendência da Polícia Federal em Manaus, com participação de representante da Receita Federal, onde serão apresentados mais dados sobre operação.

Tudo o que sabemos sobre:
Operação MarteloAMRO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.