Operação Lacraia prende 30 por fraudes em cartórios

A Polícia Federal prendeu ao menos 30 pessoas, nesta sexta-feira, 20, por fraudes cartorárias, grilagem de terras da União, crime contra o sistema financeiro e corrupção de servidores públicos, durante a Operação Lacraia. A PF cumpre 33 mandados de prisão e 38 de busca e apreensão. As investigações foram iniciadas há nove meses, e apontam que a quadrilha atuava há mais de dez anos no Mato Grosso, Goiás e São Paulo. O grupo falsificava e forjava registros e títulos de propriedades rurais, que posteriormente eram usados na obtenção de empréstimos e financiamentos bancários. Com a colaboração de tabeliães e funcionários dos cartórios, a quadrilha alterava documentos originais, montava registros falsos e duplicava lavraturas. Os fraudadores também utilizavam scanners para copiar assinaturas de terceiros nos documentos que estavam sendo manipulados. Depois de prontos, os papéis eram envelhecidos em fornos microondas, que acabaram substituindo a velha técnica que utilizava caixas com grilos (razão do termo grilagem de terras). Em média, cada documento era negociado por R$ 5 mil reais, podendo em alguns casos chegar ao valor de R$ 40 mil. Estes pagamentos eram feitos através de depósitos em contas de laranjas, com a finalidade de dificultar o rastreio, informou a PF.De acordo com a PF, os mandados foram expedidos pela 1ª. Vara Federal de Mato Grosso. A dona do cartório de Barra do Garças (MT), Helena Costa Jacarandá, está presa.Este texto foi alterado às 11h42.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.