Operação da PF fecha jornal e rádios no interior paulista

'Diário de Marília' e duas rádios emissoras da Central Marília de Notícias (CMN) foram alvo da ação, que faz parte da segunda fase da Miragem

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

26 de janeiro de 2017 | 00h17

SOROCABA - A Polícia Federal fechou nesta quarta-feira, 25, o jornal Diário de Marília e duas rádios ligadas à Central Marília de Notícias (CMN) na cidade do interior de São Paulo. A edição impressa do jornal não circulou nesta quarta e a edição online estava fora do ar. Outros sites da empresa também foram apagados. As rádios Diário FM e Dirceu AM tiveram os microfones lacrados. Segundo a PF, a empresa é suspeita de ter como donos ocultos políticos da região.

A PF informou ter cumprido determinação do Tribunal Regional Federal da 3.ª Região para “a suspensão integral das atividades do grupo econômico de comunicação, com atuação considerada irregular”. Foram feitas buscas nas sedes do jornal e das rádios e nos escritórios da empresa. Foi cumprido um mandado de prisão preventiva, cujo nome não foi divulgado.

A ação faz parte da segunda fase da Operação Miragem, que investiga crimes como associação criminosa, falsidade ideológica, uso de documento falso, desenvolvimento clandestino de atividade de telecomunicação, sonegação fiscal, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. O inquérito está sob segredo de Justiça.

Nenhuma das pessoas citadas como sócias da CMN foi localizada. Em nota, a direção do grupo informou que prepara recurso no Superior Tribunal de Justiça. Afirma que “não há nenhuma irregularidade na empresa, considera a ação arbitrária, violenta e desnecessária e, fatos e ações com fundo eminentemente políticos”. Afirma ainda que a empresa tem 100 funcionários, e “está tomando as providências para restabelecer as atividades”.

Tudo o que sabemos sobre:
Polícia FederalMídia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.