Operação "Carga Pesada" desbarata quadrilha em seis Estados

Uma megaoperação realizada simultaneamente pela Polícia Federal em seis Estados, na manhã desta terça-feira, desbaratou uma das maiores quadrilhas de roubo de carros, cargas e de clonagem de veículos do País.Até o final da tarde desta terça, pelo menos 29 pessoas haviam sido presas, entre elas seis policiais civis de Goiás, funcionários do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) em Goiânia e em outras capitais."Carga pesada"Somente em um depósito, a PF encontrou 30 carros que estavam ou seriam adulterados, mas este número poderá chegar a mais de duas centenas. A operação "Carga Pesada" foi realizada em sigilo em Goiás, Minas Gerais, São Paulo, Mato Grosso, Acre e Rondônia.Somente em Goiânia contou com a participação de 225 policiais federais, a maior parte do Comando de Operações Táticas (COT), o grupo de elite da corporação. Pela manhã, apenas o governador do Estado, Marconi Perillo (PSDB), havia sido informado, já que uma das ações para prender a quadrilha consistiria em ocupar a Delegacia de Furto e Roubo de Veículos (DFRV), onde alguns de seus integrantes davam apoio à organização criminosa.Entrada de surpresaAgentes do COT entraram no local de surpresa, onde executaram cerca de 52 mandados de busca e apreensão de documentos e objetos. Segundo a PF, a quadrilha era especializada em roubo de cargas, caminhões e veículos de luxo e também aplicava golpes em companhias seguradoras, sendo que um dos presos era representante de uma dessas empresas em Goiânia.Conforme a Polícia Federal, a quadrilha era chefiada por Sérgio Augusto Bona, preso na capital de Goiás; José Benedito Pereira, preso em São José dos Campos; Dalmo César da Rocha, que estava em Belo Horizonte, e Adão Mazeto, que foi detido em Cuiabá (MT) são os outros integrantes da quadrilha.Semelhante a uma empresaA operação começou a ser planejada em janeiro deste ano, quando agentes federais descobriram quem liderava a quadrilha, que tinha formação semelhante à de uma empresa. "Havia os graus hierárquicos, os subordinados, os executores e até mesmo o departamento que recrutava as pessoas para manter contato com os orgãos públicos", afirmou um delegado que participou da investigação.Também integravam o esquema donos de oficinas mecânicas, agiotas, proprietários de lojas de autopeças e vários "laranjas", que forneceram seus nomes para a abertura de contas bancárias fantasmas. A PF ainda está fazendo o levantamento dos veículos roubados pela quadrilha, mas o número pode chegar a mais de 200, somente nos últimos meses.Policiais também foram presosNum galpão de Goiás foram encontrados 30 carros que seriam clonados ou desmontados, além de diversas peças. Na Delegacia de Roubos e Furtos da cidade foram presos os policiais Wilmar Rodrigues da Luz, Wilmar Pereira Calixto, Lourival Vicente Pereira, Lázaro de Almeida Barbosa, Wellington Santos Souza e Dilmar Bispo de Souza.Além dos chefes do esquema e dos policiais, foram presos em Cuiabá Elias Lourenço da Silva e, em Goiás, Adriano José do Prado, Carlos Alberto Pereira de Almeida, Claudemir de Góes Amaral, Cleuber Washington Magi, Décio de Góes Amaral, Eliazar José e Silva Neto, Francisco Bettestin Filho, Geraldo Togo Nório, Itainá Gomes Filho, João Carlos Landolf Antunes, João Togo Minol, José Humberto Rosa, Valdemir do Carmo Leonel, Waldemar Moraes de Souza, Walter Moraes de Souza, Durval Bernardes de Souza Júnior, Derislei Lucas Ferreira e Wellington Araújo Souza.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.