ERNESTO RODRIGUES/ESTADÃO
ERNESTO RODRIGUES/ESTADÃO

Onyx casa ao som da trilha de 007

Cerimônia discreta reuniu 'familiares e amigos próximos'; presidente eleito e primeira-dama prestigiam

Felipe Frazão, O Estado de S. Paulo

23 Novembro 2018 | 20h45

Brasília - "Você agora vai ser feliz como eu." Assim o presidente eleito Jair Bolsonaro felicitou o amigo e articulador político Onyx Lorenzoni, de 64 anos, deputado do DEM gaúcho e futuro chefe da Casa Civil, momentos depois de ele ter dito "sim" à personal trainer e assessora parlamentar Denise Veberling, de 38 anos, na noite de ontem, à beira do Lago Paranoá, em Brasília.

A cerimônia para "poucos amigos e familiares" ocorreu no Clube do Congresso, frequentado por parlamentares e servidores. O salão simples foi ornamentado com arranjos de flores em tons pastéis e rosas pela cerimonialista e decoradora Lu Cartaxo, que atua há 19 anos no mercado de Brasília.

Denise entrou no salão vestida de branco ao som da marcha nupcial. A cerimônia religiosa foi conduzida pelo bispo Robson Rodovalho, líder da Sara Nossa Terra, e pela mulher dele, a bispa Lúcia Rodovalho, a convite dos noivos. "Ela (Denise) frequenta a igreja há 10 anos, e ele (Onyx) a acompanha esporadicamente", disse o bispo. 

A festa e jantar seguiram ao som de clássicos da MPB, como "Pela Luz dos Olhos Teus", de Vinícius de Moraes; "Por Enquanto", composição de Renato Russo interpretada por Cássia Eller, trilhas sonoras de A Bela e A Fera, e de 007 - Operação Skyfall, além de "Somewhere Over The Rainbow". 

A celebração foi reservada e longe da imprensa. Os celulares dos convidados ficaram recolhidos pela segurança e só os fotógrafos e cinegrafistas oficiais registraram imagens. No casamento foram servidos vinho tinto e espumante, e o prato principal do buffet era peixe. 

Bolsonaro chegou com uma hora e meia de atraso, permaneceu por menos de duas horas e foi embora bem antes do fim da festa. Segundo presentes, o presidente eleito dispensou uma mesa reservada para ele e a família. Bolsonaro, de terno escuro e gravata cinza, e a primeira-dama, Michelle, com um vestido preto de alças e decote, se acomodaram entre os demais convidados. 

Dos futuros colegas de Onyx no Ministério, apareceram Gustavo Bebianno, que deverá ser o secretário-geral da Presidência, e Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS), da Saúde. Entre os parlamentares mais próximos, estiveram os deputados Gonzaga Patriota (PSB-PE), Marcos Rogério (DEM-RO) e Alberto Fraga (DEM-DF). Dos senadores, Magno Malta (PR-ES), Davi Acolumbre (DEM-AP) – que emprega a noiva no seu gabinete – e o governador eleito de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), único a chegar no carro oficial ao lado da mulher.

Alguns parlamentares foram dirigindo os próprios carros, como Alberto Fraga, num BMW prata, e Eduardo Bolsonaro, num Ômega preto.

Onyx prometeu retomar a articulação política no fim de semana e bater ponto na segunda-feira no Centro Cultural do Banco do Brasil, sede do governo de transição. "A gente já fez a lua de mel na semana passada lá em Cambará do Sul", disse o ministro, em referência ao município turístico do Rio Grande do Sul. / COLABOROU SANDRA MANFRINI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.