ONU não tem recursos para combater fome na África

Mais de um terço dos países da África estão em estado de emergência no que se refere à fome e a Organização das Nações Unidas (ONU) não tem recursos para enviar alimentos. Segundo relatório publicado ontem pela FAO - agência da ONU para a alimentação -, 13 milhões de pessoas em 21 países precisam de alimentos urgentemente.O principal obstáculo, segundo a FAO, é que apenas 24% dos US$ 507,3 milhões necessários para comprar os alimentos estão nos caixas da organização. O valor seria suficiente para evitar que essas pessoas morram de fome até abril do ano que vem, quando a colheita seria recomeçada no continente africano.O fundo da ONU vive de doações e, apesar dos pedidos feito pelas Nações Unidas e das garantias dos governos de que estão comprometidos em acabar com a pobreza no mundo, até agora os países ricos não cumpriram o que prometeram e poucos recursos chegaram até os programas de ajuda alimentar na África."A seca prolongada em 2001 e 2002 e o excesso de chuvas em outras partes do território arrasou as plantações de grãos", explica o relatório. O documento ainda aponta que os níveis de importação de cereais na África devem se manter altos nos próximos meses, refletindo a queda na produção agrícola no sul do continente.Já no leste da África, a queda da produção e a movimentação de pessoas devido aos conflitos entre os grupos étnicos devem também gerar uma pressão para que as importações de alimentos aumentem. A FAO estima que 1,8 milhão de toneladas de alimentos sejam necessárias para suprir a população local.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.