ONU elogia criação da Comissão da Verdade no Brasil

Comissária já havia vindo ao Brasil e recomendado a criação da comissão

EFE

18 de novembro de 2011 | 17h17

A ONU considerou nesta sexta-feira, 18, como um grande passo a decisão da presidente Dilma Rousseff de criar uma Comissão Nacional da Verdade para esclarecer as violações aos direitos humanos cometidas no Brasil. "Esta criação demonstra o compromisso do Brasil em abordar internamente a defesa dos direitos humanos, assim como em outros lugares do mundo", declarou em comunicado a alta comissária para os Direitos Humanos da ONU, Navi Pillay.

 

A representante das Nações Unidas considerou a iniciativa de Dilma "um primeiro e essencial passo, ao qual damos as boas-vindas, para a cicatrização das feridas do País e para o esclarecimento dos erros do passado". Pillay visitou o Brasil em 2009, onde fez um apelo para que se estabelecesse uma comissão com estas características para o esclarecimento das violações aos direitos humanos cometidas durante os períodos de ditadura.

 

A alta comissária encorajou ainda o Brasil a adotar medidas adicionais para facilitar o processamento dos responsáveis pelos atentados contra os direitos fundamentais e para estabelecer uma nova legislação que derrogue a Lei de Anistia de 1979. Outra opção, afirmou, é declarar esta lei inaplicável, levando em conta que impede a investigação de graves violações aos direitos humanos e garante a impunidade dos crimes.

 

Pillay afirmou que as vítimas e seus familiares têm o direito de ver que se faz justiça e ressaltou que o ato de fazer a verdade aflorar no País "ajudará os brasileiros a entender e reconhecer sua própria história, que até agora foi frequentemente objeto de disputa ou foi negada".

 

"As comissões da verdade também visam evitar novos abusos", disse Pillay. "Em sua condição de potência política e econômica emergente, que o Brasil tome nota disso: é uma criação muito importante nos âmbitos regional e global", finalizou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.