ONG pede ajuste na iniciativa

Diretor da Transparência Brasil não vê necessidade de expor pautas

Alexandre Rodrigues, RIO, O Estadao de S.Paulo

10 de junho de 2009 | 00h00

O jornalista Claudio Weber Abramo, diretor executivo da Transparência Brasil, disse ontem que a Petrobrás alcançaria o objetivo de dar transparência aos esclarecimentos que presta à imprensa se divulgasse os questionamentos que recebe após a publicação das reportagens a que eles se referem.Abramo apoia a justificativa da estatal, mas acredita que o blog pode ser um bom instrumento de fiscalização da imprensa sem ameaçar o caráter de exclusividade das pautas em execução. "É bom dar transparência à relação da empresa com a imprensa. Caso se configure uma situação em que se diz A e se publica B, o leitor tem uma oportunidade de ver e avaliar como o jornal trata o chamado outro lado. Embora ache que poucos leitores fariam essa comparação, só um grupo especializado, isso seria plenamente atingido se fosse divulgado após a publicação das matérias pelos jornais", disse Abramo."Realmente não existe confidencialidade em relação a perguntas que alguém recebe de um jornalista. O jornalista pode ter o compromisso com a fonte, mas o da fonte com o jornalista não existe. No entanto, essa atitude cria um desgaste na relação da empresa com os veículos, que pode ser um problema. Não é bom para a Petrobrás ficar de ponta (ficar mal) com a grande imprensa, de quem precisa para divulgar suas ações", ressaltou Abramo, discordando da posição da ANJ.O diretor da Transparência Brasil aposta numa mudança de posição da estatal. Ele lembrou que a divulgação das informações também expõe ao grande público a forma evasiva como a empresa responde aos questionamentos da imprensa. "Olhando com mais atenção esse blog, vemos que a maioria das respostas é conversa para boi dormir", criticou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.