ONG da mulher de Paulinho recebeu R$ 1 milhão do BNDES

Ex-assessor do deputado integrava conselho do banco à época dos repasses, em operação a fundo perdido

Roberto Almeida

09 de maio de 2008 | 02h33

A ONG Meu Guri Centro de Atendimento Biopsicossocial, presidida por Elza de Fátima Costa Pereira, mulher do deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), o Paulinho da Força, recebeu do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) R$ 1,199 milhão em uma operação não-reembolsável. Ela foi aprovada em dezembro de 2000 e contratada em 27 de setembro de 2001, mas os repasses ocorreram em 2002 e 2003, período em que integrava o conselho de administração do BNDES o lobista João Pedro de Moura, amigo e ex-assessor de Paulinho. Moura é acusado pela Procuradoria da República de chefiar uma quadrilha grampeada pela Polícia Federal na Operação Santa Tereza. De acordo com o BNDES, trata-se de um financiamento proveniente do Fundo Social da instituição, para realizar obras nas instalações da ONG, adquirir móveis, veículos, utensílios e capacitar empregados. Segundo o banco, o negócio é "muito antigo" e no momento não há nenhuma operação ativa com a Meu Guri. O último repasse, de R$ 36,6 mil, ocorreu em 25 de abril de 2003. O valor total já foi completamente desembolsado.  O BNDES diz ainda que está fazendo auditoria interna. Porém, não soube informar quantas ONGs receberam dinheiro do Fundo Social no período em que a Meu Guri foi beneficiada. A reportagem procurou Elza durante todo a quinta-feira, mas não obteve retorno. Tentou também agendar visita à entidade, que possui uma sede no Tucuruvi, zona norte de São Paulo, e outra em Mairiporã, na Serra da Cantareira. Ela avisou que isso só seria possível com sua permissão e acompanhamento. A visita não foi autorizada. Por fim, acabou emitindo uma nota na qual afirma que a entidade está isenta de irregularidades e explica a doação de R$ 37,5 mil feita por João Pedro de Moura, revelada pelo Estado. Internet Único acesso a informações oficiais sobre a ONG, o site www.meuguri.com.br passou por retoques. Até o início da tarde, a página tinha o nome João Pedro de Moura como suplente em seu conselho fiscal. Às 16 horas, porém, o site foi "temporariamente" retirado do ar. Quando retornou, o nome de Moura no conselho havia sido substituído pelo de Eufrozino Pereira da Silva. Com registro no CNPJ, a empresa Meu Guri foi aberta em 20 de agosto de 1997 para promover "atividades de associações de defesa de direitos sociais". O endereço declarado é Rua Galvão Bueno, 782, Liberdade, em São Paulo, mas o local é, na verdade, sede do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes, do qual Elza é tesoureira. A reportagem entrou em contato com a auditoria Moreira & Associados, que tem a ONG entre seus clientes, e foi informada de que os dados relativos à movimentação da entidade são abertos só para sua presidência. O gerente da Moreira & Associados, Marcos Gregolin, estava em viagem ao Rio e não foi encontrado. Grampos A Operação Santa Tereza começou em dezembro de 2007, quando passou a apurar denúncias de exploração de prostituição e tráfico de pessoas. Nas interceptações telefônicas foram identificadas conversas sobre financiamentos do BNDES. O grupo, segundo a PF, usava sua influência para aprovar os financiamentos e cobrava uma porcentagem sobre o valor liberado. Em 24 de abril, 10 pessoas foram presas. Segundo a PF, Paulinho foi citado várias vezes nos grampos. Ao saber que seria investigado pela Corregedoria da Câmara, ele abriu seu sigilo bancário, fiscal e telefônico para o Ministério Público Federal. O presidente do BNDES, Luciano Coutinho, suspendeu "prudencialmente" todas as liberações relativas aos empréstimos postos sob suspeita.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.