Onde tem rolo tem alguém do PT, diz Alckmin

O candidato tucano ao governo de São Paulo, Geraldo Alckmin, cobrou nesta terça-feira (7) explicações do governo federal sobre as quebras de sigilo fiscal de membros do PSDB e de Verônica Serra, filha do presidenciável tucano José Serra.

ROBERTO ALMEIDA, Agência Estado

07 de setembro de 2010 | 19h35

"A Constituição brasileira é muito clara que o sigilo só pode ser quebrado com autorização judicial", disse Alckmin, após fazer corpo a corpo no Mercado Municipal da Penha, na zona leste de São Paulo. "Não é uma coisa corriqueira, não é de menor significado. É grave e nesse sentido o governo federal deve explicações."

Para o tucano, a ligação de funcionários da Receita filiados ao PT com as quebras de sigilo é "estranha". "Onde você vai verificando você encontra alguém do PT. Na política, infelizmente o que a gente está vendo é que onde tem rolo tem alguém do PT. É preciso apurar isso com seriedade", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.