Onda de calor da Europa não deve chegar ao Brasil no verão

Especialistas em estudos climáticos acham difícil que a onda de calor que atinge a Europa venha a se repetir no Brasil no verão, tornando a temperatura insuportável. ?Se houver El Niño (aquecimento das águas do Oceano Pacífico) será mais quente, mas ainda não há indicadores disso?, diz o coordenador de Estudos do Clima José Antonio Marengo, do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).Em um futuro não muito distante, porém, a temperatura vai subir. O aquecimento global, segundo ele, é um fato, causado tanto por fenômenos naturais como pela ação do homem. ?Mas não dá para observar isso de um ano para o outro?, afirma. São necessários períodos tão longos como cinco décadas. Projeções para 2050 apontam aumento na temperatura de 3 a 4 graus. A Amazônia e o Nordeste teriam menos chuvas e o Sul, mais. Nos últimos meses vem ocorrendo no Brasil algo parecido com o que acontece agora na Europa. ?Temos uma onda de calor deixando o inverno mais quente. Mas não é indicador de que o verão será assim.? Segundo Marengo, o brasileiro mais acostumados a esses aumentos de temperatura por viver em um país tropical. ?Mas no Hemisfério Norte a população e a indústria não estão adaptadas. Se faz 23 graus na Finlândia, o governo decreta feriado.?A concentração de continentes e oceanos em cada metade do planeta é uma das explicações para as diferenças entre os fenômenos. ?O oceano regula um pouco o aquecimento.? Como no Hemisfério Norte há mais terras, as temperaturas tendem a ser mais extremas. ?No Sul, o fator que domina o clima é o El Niño.? Ele diz que o fenômeno costuma ser detectado em junho ou julho. Como ainda não apareceram sinais, há poucas chances de que ocorra até o fim do ano.O professor Tércio Ambrizzi, do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG) da USP, também aposta num um verão típico no Brasil. ?Não há nenhum fenômeno em grande escala atuando, como El Niño ou La Niña (resfriamento das águas do Pacífico).? Ele destaca que existem diferenças significativas entre os Hemisférios Norte e Sul. Por isso, uma onda de calor parecida com a da Europa não teria o mesmo impacto no Brasil. ?As pessoas sentiriam pouco, porque a nossa variabilidade de temperatura é muito grande.?Ele diz que está ocorrendo um bloqueio atmosférico na Europa. O fenômeno ocorre porque uma região de alta pressão estacionou sobre o continente, desviando as frentes frias. Sem elas, a quantidade de chuva diminui. ?Como é verão, tende a aquecer.? O bloqueio costuma durar 20 dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.