OMS quer banir propaganda e patrocínio do fumo no mundo

A Organização Mundial da Saúde (OMS)propôs na sexta-feira a proibição global da propaganda decigarros, da promoção do produto e do patrocínio de eventos porparte das fábricas, como forma de evitar a entrada dos jovensno vício. Em nota divulgada por ocasião do Dia Mundial sem Tabaco, em31 de maio, a OMS disse que técnicas sofisticadas de marketingestão seduzindo jovens em revistas, filmes, shows, eventosesportivos e sites da Internet. "Quanto mais os jovens são expostos à publicidade dotabaco, mais propensos ficam a começar a fumar", disse o texto,acusando os fabricantes de "associarem falsamente o uso dosprodutos de tabaco a qualidades como glamour, energia e apelosexual". A maioria dos fumantes adquire o hábito antes dos 18 anos,e quase um quarto começa antes dos 10, segundo a OMS. Em uma pesquisa com adolescentes de 13 a 15 anos, 55 porcento disseram ter visto outdoors de cigarros nos mês prévio, e20 por cento possuíam objetos com marcas de cigarros. Em 2003, a OMS adotou um tratado global de saúde públicaque pela primeira vez recomendava alertas mais incisivos nosmaços de cigarros e limites à publicidade e aos patrocínios dosetor, embora isso não esteja em vigor em todos os países. OBrasil foi o segundo país, depois do Canadá, a adotar ainiciativa de colocar imagens nos maços e nesta semana divulgounovas fotos, mais alarmantes, que passarão a ser usadas nasembalagens. Douglas Bettcher, diretor do programa de combate aotabagismo da OMS, disse que a proibição total é necessária paragarantir que os jovens estejam protegidos de mensagensperigosas, especialmente nos países mais pobres, onde asmeninas são o maior alvo da publicidade. "Meias medidas não bastam. Quando uma forma de publicidadeé proibida, a indústria do tabaco simplesmente transfere seusvastos recursos para outro canal. Conclamamos os governos aimporem uma proibição completa para romper a rede decomercialização do tabaco", afirmou ele. (Reportagem de Laura MacInnis)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.