OMS denuncia trabalho infantil no País

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta sobre a existência de trabalho infantil na produção de tabaco no Brasil. Segundo o relatório da OMS divulgado hoje sobre tabaco e direito das crianças, o País é identificado como um dos casos mais sérios do uso de menores de 18 anos para trabalhar no cultivo do fumo. O relatório aponta, ainda, que a Argentina, a China, a Índia, os Estados Unidos e o Zimbábue também enfrentam o problema. Em muitos países, inclusive no Brasil, o cultivo do fumo é feito em pequenas propriedades que possuem contratos com as grandes multinacionais do setor. "Como a plantação do fumo é intensiva em mão-de-obra, as famílias acabam incluindo as crianças em todas as etapas do processo para garantir uma maior produtividade", explica uma especialista da OMS. Segundo o relatório, no Brasil, as empresas que compram a produção de fumo dos agricultores chegaram a pedir que os horários escolares fossem mudados para que as crianças pudessem trabalhar nas plantações. Representante das empresas de cigarro e dos exportadores de fumo rebatem as críticas com o argumento de que os agricultores recebem todo o apoio das empresas para a plantação do fumo e que toda a produção tem mercado garantido. "Trata-se do cultivo mais rentável na agricultura brasileira", afirma um representante da Souza Cruz. Especialistas da OMS, porém, dizem que a relação entre a empresa e os agricultores é de dependência. "As multinacionais fornecem a semente e estipulam o preço que vão pagar pela produção", acusa um funcionário da OMS.NúmerosApesar de condenar o trabalho infantil no Brasil, a quantidade de crianças no setor é alvo de polêmica. No relatório da OMS, 520 mil crianças trabalhariam no cultivo do fumo. Para o Ministério da Agricultura, esse número não está correto, já que apenas 150 mil famílias produzem fumo no Brasil. A própria OMS reconhece que pode haver um erro. Pelos cálculos, porém, se cada uma dessas 150 mil famílias tivesse 3 crianças no cultivo do produto, o número inicial da OMS não estaria longe a da realidade. FumoO relatório ainda aponta que 250 milhões de crianças morrerão no futuro se o consumo de cigarros não cair. "Pesquisas mostram que 50% dos fumantes que iniciaram a prática na juventude morreram de doenças relacionadas ao cigarro", afirma a OMS. Para reverter a situação, a organização pede que os países adotem a Convenção sobre os Direitos das Crianças. Além disso, o tema foi um dos destaques da semana nas negociações sobre a Convenção do Controle do Uso do Tabaco, que termina hoje em Genebra. A OMS argumenta que o uso do tabaco entre os jovens é estimulado pelas promoções agressivas das empresas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.