OMS chega à China para investigar pneumonia

Especialistas em epidemiologia da OrganizaçãoMundial de Saúde (OMS) chegaram hoje à província chinesa de Guangdong para investigar a origem do surto de Síndrome Respiratória Aguda Severa (SRAS) que já matou 78 pessoas em 20 países.A equipe de quatro pessoas, chefiada pelo especialista Robert Breiman, só foi autorizada na quarta-feira a seguir para a província do sul da China, onde a doença, conhecida por pneumonia atípica teve origem.A espera de uma semana em Pequim antes de seguir para Guangdong gerou críticas internacionais sobre maneira como o governo chinês encara a ameaçaà saúde pública mundial. "O primeiro passo será o de reunir com chefes das autoridades sanitárias (de Guangdong) para delinear um plano de ação antes de ser iniciado o trabalho de campo na sexta-feira", disse um membro da equipe a jornalistas locais na chegada ao aeroporto de Cantão, a capital da província chinesa.De acordo com o especialista, a equipe da OMS tentará identificar "fatores comuns sobre o vírus (que provoca o SRAS) e sobre as condições de vida daspessoas onde a doença surgiu" que possam oferecer pistas para uma identificação precisa do agente patogênico e para a criação de mecanismos eficazes de combate à doença, até agora inexistentes.Informações anteriores divulgadas pela OMS sugeriam que o vírus que provoca o SRAS poderia ter origem em animais domésticos, passando, depois de uma mutação, a infectar seres humanos em situações de coexistência muito próxima, como as que existem em zonas rurais do sul da China.Depois de uma primeira aparição no sul da China em novembro de 2002 e de um surto inicial em fevereiro, que matou 31 pessoas na província de Guangdong, a SRAS manifestou-se em 12 de março em Hong Kong, onde já matou 16 pessoas e infectou mais de 700. De Hong Kong, a doença alastrou-se internacionalmente pelas pessoas que viajaram de avião.Tosse seca, febre alta e dores musculares são alguns dos sintomas da pneumonia atípica, frequentemente confundida com a gripe.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.