OMS acusa Souza Cruz de usar Fome Zero para marketing

A Organização Mundial da Saúde (OMS) acusou a Souza Cruz de usar o programa Fome Zero para promover sua marca diante das restrições à propaganda de cigarro no Brasil."Participar do Fome Zero é como patrocinar a Fórmula 1: são estratégias para a promoção do cigarro, hoje cada vez mais restritas pelas leis brasileiras", afirmou nesta sexta-feira Vera da Costa e Silva, gerente do Projeto contra o Tabaco da OMS.Ela destacou que as companhias estariam tentando se aproximar dos políticos para influenciar suas decisões.A denúncia contra a Souza Cruz está relacionada ao apoio dado pela empresa a um recital de piano do músico Miguel Proença no fim do ano passado. A renda foi revertida para o programa Fome Zero. A assessoria de imprensa da Souza Cruz explicou que a decisão de fazer a doação coube ao músico.Outra denúncia se refere à turnê do pianista por 14 cidades do Sul, também no ano passado. Os ingressos foram trocados por pacotes de 1 quilo de alimento, doados a instituições sociais e prefeituras. A assessoria de imprensa afirmou que, ao colaborar com programas sociais, a Souza Cruz está atuando como uma empresa qualquer, e não promovendo suas marcas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.