Olívio publica anúncio contra CPI e tem mais um problema

O relator da CPI da Segurança Pública, Vieira da Cunha (PDT), e outros parlamentares da oposição deverão ingressar na Justiça com uma representação popular pedindo que o governador OlívioDutra (PT) devolva os valores gastos em anúncios publicados em jornais de circulação estadual e nacional acusando a comissão de inquérito de "golpismo" contra o governo petista do Rio Grande do Sul. O deputado pedetista protolocou hoje na Assembléia Legislativa um pedido de informações ao governo do Estado sobre o custo dos informes publicitários."Esse panfleto partidário não poderia ter sido pago com dinheiropúblico. Vou entrar com representação popular para que o governador devolva centavo por centavo do que gastou", disse Vieira da Cunha. Segundo ele, o artigo 19 da Constituição estadual restringe a publicidade do governo a anúncios de caráter educativo, informativo ou de orientação social. A nota na qual o governo gaúcho critica a CPI em defesa de Olívio, ameaçado de impeachment, poderia configurar promoção pessoal de autoridade - o que é proibido constitucionalmente.O secretário estadual de Comunicação, Guaracy Cunha, não quis comentar as declarações do pedetista e diz que prestará as informações quando receber o pedido formal da Assembléia. De acordo com os valores de tabela apurados pelo Estado junto aos dois jornais nacionais e três estaduais nos quais o governo gaúcho publicou seu anúncio, o "Comunicado ao Povo Gaúcho e Brasileiro" pode ter custado até R$ 223 mil aos cofres públicos.O líder do governo na Assembléia, deputado Ivar Pavan (PT), afirmou que o governador tem direito de se defender publicamente das acusações sofridas na CPI. "Além do golpe do relatório, o deputado Viera da Cunha está querendo impedir agora que a gente fale também", reclamou o parlamentar.Para Vieira da Cunha, o anúncio do governo é "vazio de conteúdo,discursivo e, antes de tudo, uma ofensa ao Parlamento do Rio Grande, porque reduz o nosso relatório ao plano da disputa política". Segundo ele, a acusação de que a CPI está promovendo um golpe contra a democracia é "rigorosamente o mesmo raciocínio político do ex-presidente Fernando Collor".No PT, o discurso é uníssono contra a CPI e os excessos do relator,mas alguns setores questionam a tentativa de "abafar" a discussãointerna a partir da desfiliação voluntária do presidente do Clube deSeguros da Cidadania, Diógenes de Oliveira. O petista se antecipou à punição que receberia na Comissão de Ética, que aproveitou paraencerrar as investigações sem sequer ouvir Diógenes sobre as doações recebidas pelo clube e sobre sua conversa com o ex-chefe de Polícia Luiz Fernando Tubino, na qual pedia para que os bicheiros não fossem reprimidos."Não dá para tapar o sol com a peneira, como fazem os demaispartidos", disse ontem a deputada Luciana Genro (PT), filha do prefeito de Porto Alegre. Integrante de uma das alas radicais do partido, Luciana defende que o partido continue apurando se o clube cometeu alguma irregularidade e se existe mais alguém envolvido. "Se houve algum dirigente do partido envolvido nisso, é preciso que ele venha à público e assuma a responsabilidade, porque de outra maneira a suspeita (de recepção de dinheiro do bicho) vai pairar sobre todos nós", afirmou Luciana.Oficialmente, a executiva do PT só admite discutir sua relação com o clube e o destino da sede que utiliza e foi cedida em comodato pelo Clube da Cidadania em 1998. Na quinta-feira, Olívio viajará a São Paulo, onde concederá uma coletiva na sede nacional do partido e participará do programa de Boris Casoy, na Rede Record.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.