Olivetto deixou mensagem na parede para a mulher

Na solidão do pequeno espaço decerca de 1,5 metro por 3 metros, o publicitário WashingtonOlivetto deixou uma mensagem escrita na parede: "Patrícia, meuamor. Te adoro." As inscrições, encontradas no cativeiro onde opublicitário ficou preso, revelam que ele provavelmente quisdeixar algum tipo de registro, caso acontecesse alguma coisadurante os 53 dias que ficou sob o poder dos seqüestradores.Além da mensagem, uma referência à mulher, Patrícia Viotti, outras inscrições na parede, algumas ilegíveis, foramencontradas no cubículo montado no sobrado da Rua Kansas, noBrooklin, zona sul, utilizado com cativeiro pelosseqüestradores. Entre elas, vários riscos paralelos, como se opublicitário controlasse o período em que estava no local. Haviatambém o número 26 e "hoje janta".O cubículo foi montado na parte do fundo do andar superior dacasa. Em um pequeno espaço entre um banheiro e um dos quartos,que poderia ser utilizado para um armário, por exemplo, osseqüestradores instalaram uma espécie de caixa de madeira. Paraisso, as paredes e o teto foram revestidos por um material demadeira com isolamento acústico pintados de branco.O chão, também de madeira e revestido por uma esteira deborracha, foi construído cerca de cinco centímetros acima dopavimento, para garantir o total isolamento do seqüestrado. Asparedes de madeira facilitaram as inscrições nas paredes, queforam feitas por algum material de ponta, como os talheresutilizados nas refeições.As condições do local em que o publicitário ficou confinadoimpressionam pelo tamanho e pela falta de conforto do refém, quetinha à sua disposição apenas um colchão. A iluminação do local- sem janelas - era garantida por uma lâmpada acesa durante todoo tempo e coberta por uma grade. A ventilação era proveniente deum repiradouro instalado ao lado da porta, também feita demadeira e fechada por uma trava com cadeado.De acordo com os policiais que estiveram no local, Olivetto eravigiado durante todo o tempo por uma câmera instalada no teto eum pequeno furo ao lado da porta. Na parede do fundo tambémhavia um olho mágico falso, interpretado pelos policiais comouma forma de intimidar a vítima.Internet - A casa onde Olivetto ficou preso, um amplo sobrado,foi alugada pelos seqüestradores em agosto do ano passado.Segundo o advogado do proprietário da casa, Fernando Whitaker, ohomem que alugou o imóvel, e se identificou como sociólogo,pagou seis meses adiantados, em reais. Ele não revelou o nome doproprietário e nem da pessoa que alugou o imóvel, mas afirmouque tinha sotaque castelhano e o valor acertado foi de cerca deR$ 1,5 mil, média do aluguel cobrado nas casas da região. "Ele afirmou que usaria a casa para montar uma empresa deInternet ligada a questões ambientais", disse Whitaker. Eletambém afirmou que na data de vencimento do contrato, em janeiro, o homem pediu para que o prazo para desocupação do imóvel fosseprorrogado. "Ele disse que estava resolvendo uns problemas naArgentina e por isso precisava da casa por mais um tempo",explicou Whitaker.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.