Óleo pode atingir praias do Rio e de Niterói

Técnicos da Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente (Feema) admitiram que a mancha de óleo diesel na Baía de Guanabara, concentrada próxima à Ponte Rio-Niterói, poderá atingir praias dos dois municípios, caso correntes marítimas e ventos espalhem o óleo em direção à orla. Pelo menos 35 mil litros de óleo vazaram do tanque de um navio rebocador que afundou ontem à tarde, após acidente na Baía. Bóias foram colocadas para evitar que a mancha se espalhe. O plano de controle de acidentes na Baía foi acionado para tentar conter o avanço da mancha.A Feema identificou os donos do rebocador, que afundou próximo à Ilha Fiscal. A embarcação pertence à empresa Saveiro, que presta serviços no cais do porto. De acordo com o diretor do Departamento de Controle Ambiental da Feema, Luiz Heckmayer, a empresa proprietária está sujeita a multa que varia de R$ 10 mil a R$ 50 milhões. "Isso vai ser estabelecido pela Comissão Estadual de Controle Ambiental (Ceca), disse Heckmayer, após um sobrevôo na baía. Vinculada à Secretaria Estadual do Meio Ambiente, a Ceca deverá reunir-se para decidir o valor da multa apenas na próxima terça-feira.O plano de controle de acidentes conta com a participação de empresas, que participam com embarcações e equipamentos, como barreiras de absorção. Na noite de ontem, mergulhadores tentaram fechar o tanque do rebocador, mas não foi possível conter o vazamento. A expectativa é que o rebocador seja retirado do fundo do baía até sexta-feira. Ainda segundo Heckmayer, por ser leve, o óleo derramado deverá se dispersar dentro de três dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.