Okamotto mantém parceria com ong petista da qual é conselheiro

integranteOs ministros do Tribunal de Contas da União (TCU) recomendou nesta quarta-feira ao Sebrae que não continue a financiar o projeto Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento Social. Com orçamento de R$ 2,4 milhões, o projeto resulta de uma parceria firmada entre o Sebrae e o Instituto Cidadania, uma organização não governamental (ONG) ligada ao PT. Técnicos do TCU observaram que o presidente do Sebrae, Paulo Okamotto, é membro do conselho fiscal da ONG. Ele é amigo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Os integrantes do TCU concluíram que o financiamento ao projeto "transcende os objetivos do Sebrae".O relator do processo no TCU, ministro Benjamin Zymler, observou que a entidade foi criada para fomentar as atividades de micro e pequenos empresários. "Resultou demonstrado que o aporte de recursos financeiros da entidade no referido projeto em muito pouco, ou quase nada, reverterá para ações efetivas na consecução de seus objetivos institucionais", afirmou o ministro."Ao contrário, há previsão de dispêndios de significativo vulto, tal como a anunciada liberação de R$ 1,7 milhão, que serão pulverizados pelo diretório nacional em ações esparsas abrangendo vasta gama de beneficiários, mediante a implementação de políticas que não atendem, direta e objetivamente, às finalidades do Sebrae", disse o ministro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.