Okamotto diz que não cuidou das finanças de Lula

O presidente do Sebrae, Paulo Okamotto, negou, na CPI dos Bingos, que tenha sido responsável pela gestão das finanças do então presidente de honra do PT, Luiz Inácio Lula da Silva. "Nunca cuidei das finanças pessoais de ninguém. Só das minhas", afirmou Okamotto, em resposta ao senador José Agripino Maia (PFL-RN). Ele está sendo submetido a uma acareação com o ex-secretário de Finanças da Prefeitura de São José dos Campos, Paulo de Tarso Venceslau.Okamotto também negou afirmação feita por Venceslau, de que tenha tentado impedir a realização de auditoria na prefeitura de São José dos Campos, para apurar o relacionamento com a empresa Cepem, ligada ao empresário Roberto Teixeira. Segundo Venceslau, Okamotto teria sugerido que ele suspendesse a auditoria, porque a Cepem estaria ameaçando não contribuir para a realização da Segunda Caravana da Cidadania. "É mentira! Nunca pedi isso!", afirmou Okamotto. Ele também negou mais uma vez que tivesse trabalhado como arrecadador de recursos para o PT, junto a empresas prestadoras de serviços e prefeituras administradas pelo partido, no interior de São Paulo. Okamotto voltou a afirmar que a preocupação dele era fazer com que o partido tivesse apoiadores em outros segmentos da sociedade que não os vinculados aos movimentos sociais e sindicais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.