OIT alerta para trabalho infantil doméstico no Brasil

O trabalho infantil doméstico, nos últimos anos, vem sendo reconhecido como uma das piores formas de exploração de crianças no Brasil. Por ser realizado dentro de casa, onde não há fiscalização, seu combate tem tido prioridade, de acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT).De acordo com a oficial de projetos do Programa Internacional para a Eliminação do Trabalho Infantil da OIT, Daniela Rocha, existe um senso comum equivocado de que quem realiza trabalho infantil doméstico é beneficiado com cuidados e não sofre exploração.Ela destaca que, em muitos casos, as crianças são obrigadas a trabalhar em casa em troca de estudo, por exemplo. Daniela lembra que o emprego de crianças em atividade doméstica é proibido no Brasil. Segundo ela, isso só é permitido a partir dos 16 anos e todos os direitos trabalhistas e previdenciários devem ser assegurados.De acordo com a OIT, normalmente, essas crianças são cedidas por famílias pobres de zonas rurais a famílias com melhores condições em áreas urbanas. Porém, com o inchaço populacional das cidades brasileiras e a criação dos bolsões de pobreza, esses meninos, meninas e adolescentes estão sendo buscados também nas periferias.No Brasil, mais de 400 mil crianças e adolescentes na faixa etária entre 5 e 16 anos exercem trabalho doméstico. Esse é um dos principais setores de ocupação de crianças no País. As meninas são maioria - 90% dos casos, com maior incidência de negras ou pardas. Segundo a OIT, as crianças que trabalham como domésticas em casa de terceiros sofrem com o afastamento de suas famílias e muitas vezes não têm oportunidade de estudar ou brincar.(Com informações da Agência Brasil)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.