Ogmo não tem o que negociar sobre greve no porto

O presidente do Orgão Gestor de Mão de Obra (Ogmo), André Canoilas, disse hoje que não tem o que negociar sobre a greve de 11 dias no porto de Santos, já que é considerado réu na sentença do Ministério do Trabalho. "Cabe ao Ministério Público retomar as negociações que foram interrompidas, uma vez que estamos apenas assessorando o Ministério do Trabalho nas questões técnicas" assegurou.Já o presidente do Sindicato dos Operadores, Antonio Carlos Branco, anunciou que a greve está provocando um prejuízo de mais de U$ 100 milhões e a fuga de cargas do Porto de Santos para outros terminais. Ele culpa as lideranças do movimento pelas perdas causadas a balança comercial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.