OEA decide investigar mortes em Eldorado dos Carajás

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos, vinculada á Organização dos Estados Americanos (OEA) aceitou o pedido do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e vai investigar o caso de Eldorado de Carajás, ocorrido em 17 de abril de 1996.Na ocasião, policiais militares do Pará dispararam contra um grupo de trabalhadoresrurais, matando 19 deles. Nos argumentos apresentados à comissão, vinculada àOrganização dos Estados Americanos (OEA), o MST alega que não houve isenção na investigação dos fatos, conduzida pela própria PM, nem no processo judicial. Os dois únicos policiais condenados até agora estão recorrendo da sentença.Oficialmente, o acusado é o Estado brasileiro.Indiretamente, o MST pretende atingir Fernando Henrique Cardoso. "Todo o processo de Eldorado representa uma vergonha para o povo brasileiro e mostra o caráter selvagem do governo FernandoHenrique na área de direitos humanos", afirma o advogado Ney Strozake, do MST.Para a advogada Patrícia Ferreira, do Centro pelaJustiça e o Direito Internacional, que também assinou o pedido de investigação, a decisão da OEA pode provocar a revisão da legislação brasileira que permite que crimes cometidos porpoliciais militares sejam investigados pelos próprios policiais.O governo brasileiro terá dois meses para apresentar sua defesa no caso. Até agora o Ministério das Relações Exteriores não se manifestou sobre o relatório da OEA, que foi divulgado nesta terça-feira no Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.