JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

Odebrecht faz acordo para auxiliar apuração no Peru

Empreiteira se compromete a colaborar com investigação de corrupção no país e a pagar de imediato US$ 9 milhões por ganhos ilícitos; estratégia é tentar manter obras no exterior

Dayanne Sousa e Fábio Fabrini, O Estado de S.Paulo

05 de janeiro de 2017 | 16h33

SÃO PAULO E BRASÍLIA - A Odebrecht firmou um acordo com o Ministério Público do Peru pelo qual se compromete a colaborar com as investigações de corrupção no governo local e a pagar um adiantamento de US$ 9 milhões (cerca de R$ 29 milhões) pelos ganhos ilícitos que obteve no país.

A estratégia da empreiteira é buscar entendimento semelhante com autoridades de outros países em que admitiu ter se envolvido no pagamento de propinas por contratos. O objetivo é manter a possibilidade de fazer negócios com o poder público no exterior, já que obras internacionais são parte significativa do faturamento do grupo. 

A Odebrecht reconheceu ter pago US$ 29 milhões a autoridades do Peru entre 2005 e 2014. Como resultado, a empresa obteve ganhos de US$ 143 milhões. Os dados constam de relatórios do Departamento de Justiça dos Estados Unidos, tornados públicos no fim do mês passado. 

Os documentos compilam informações fornecidas pela própria empresa no acordo de leniência de R$ 6,9 bilhões firmado com autoridades americanas, brasileiras e suíças. Esse valor será pago em 23 anos. 

Conforme os documentos, a construtora e a Braskem, seu braço petroquímico, pagaram R$ 3,4 bilhões em suborno a políticos e servidores públicos de 12 países das Américas e da África, incluindo o Brasil. A divulgação já levou alguns governos, entre eles Equador e Panamá, a proibir a contratação da empresa.

O convênio preliminar com o MP peruano foi fechado após a Odebrecht ser banida de licitações também naquele país, na semana passada. 

Compromisso. O órgão informou nesta quinta-feira, 5, que, por meio do convênio preliminar, firmado após semanas de “intensa negociação”, a construtora se comprometeu a entregar informações e papéis relevantes para a investigação, ainda que se encontrem em outro país, o que deve acelerar o processo penal em curso. 

O procurador Carlos Trigoso, responsável pelo caso, afirmou que o dinheiro será depositado nas contas do Estado peruano. O pagamento por ora acertado, segundo ele, não deve ser entendido como a quantificação total dos prejuízos, que só será definida após o fim das negociações com a empreiteira.

O investigador acrescentou que, além de restituir as perdas causadas ao país, a empresa terá de pagar indenização civil. 

O MP peruano classificou o acordo como inédito, já que, em outros países, não foi fixado nenhum adiantamento. “Em nosso caso, foi uma exigência para iniciar as conversas”, disse.

“A entrega significa que o Estado peruano, muito antes de ditada uma sentença final, já recuperou parte dos lucros ilícitos que a empresa reconheceu ter obtido, sem prejuízo de que o montante total seja determinado no acordo final”, reiterou o órgão em comunicado oficial.

A Odebrecht informou, em nota sobre o acordo com o Peru, que “reitera seu compromisso de cooperação com as investigações realizadas no país”.

As obras no exterior representam 80% do faturamento da construtora, que responde por um terço do faturamento total do Grupo Odebrecht.

Tudo o que sabemos sobre:
OdebrechtPeru

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.