Ocupação do MPL na Câmara de Salvador chega ao fim

Durou 31 dias a ocupação feita por integrantes do Movimento Passe Livre (MPL) na Câmara de Salvador. Os últimos dois manifestantes que dormiam no histórico prédio do centro da capital da Bahia - dos 22 que iniciaram a ocupação - deixaram o edifício nesta quarta-feira, 21. Assim que os ativistas deixaram o prédio, outros integrantes do MPL passaram a atirar ovos contra a sede da prefeitura, localizada no outro lado da rua.

TIAGO DÉCIMO, Agência Estado

22 de agosto de 2013 | 17h01

A ação, que não foi coibida ou revidada por policiais nem pela segurança da administração municipal, foi justificada como "uma forma de protestar" contra o que chamaram de "intransigência" do prefeito Antônio Carlos Magalhães Neto (DEM), o ACM Neto, que não recebeu os manifestantes durante a ocupação.

Duas das principais condições dos manifestantes para desocupar a Câmara, a realização de uma audiência com ACM Neto e a redução da tarifa do transporte público na capital baiana, de 2,80 para 2,50 reais, não foram atendidas pela gestão municipal. Por outro lado, o MPL afirmou, em nota, que o saldo da ocupação "foi positivo", uma vez que resultou no atendimento de algumas reivindicações - como o início da adoção do bilhete único na capital, no período de duas horas. O movimento anunciou também que o acampamento formado do lado de fora do prédio, no qual 30 integrantes têm passado as noites, será mantido e que o grupo intensificará a agenda de manifestações na cidade.

Tudo o que sabemos sobre:
ProtestosSalvador

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.