Obras sob suspeição do TCU geram 27 mil empregos, diz Lula

Para ele, 'se tem que fazer investigação, que se faça, mas não vamos deixar trabalhadores desempregados'

Evandro Fadel, da Agência Estado,

12 de março de 2010 | 15h20

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse, 12, em Curitiba, que fez questão de participar da inauguração da primeira etapa de obras de modernização e ampliação da Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), apesar de não estar totalmente pronta (foram inauguradas três de 19 unidades), por ela ser importante em razão de estar gerando mais de 15 mil empregos e que deve chegar a 25 mil em junho. Foi a mesma justificativa que deu, em discurso, para vetar a retirada de obras da Petrobrás do orçamento da União. A orientação tinha sido dada pelo Tribunal de Contas da União. Segundo ele, as quatro obras colocadas sob suspeição pelo TCU representam 27 mil empregos.

 

Veja também:

linkLula admite problemas em unir base aliada nos Estados

linkAlgumas pessoas comemoraram PIB negativo, diz Lula

 

"Se tem que fazer investigação, que se faça, se tem que apurar que se apure, mas não vamos deixar que trabalhadores, que brasileiros que estão levando pão para casa fiquem desempregados porque alguém suspeita que alguma coisa está acontecendo", disse. Ele também afirmou que "tem gente que não se tocou que esse país mudou". "Mudou porque nós aprendemos a gostar de nós", ressaltou.

 

Lula também comentou o anúncio, anteontem, do PIB de 2009, que ficou negativo. "Eu vi a cara de algumas pessoas na televisão falando do PIB. Alguns, vi até a ponta de um sorriso: finalmente, finalmente nós pegamos o Lula porque o PIB dele não cresceu. Hoje, fazem comparação até com Marechal Deodoro da Fonseca", destacou. Logo depois, ressaltou que o País passou incólume pela crise do ano passado. Lula ainda destacou que, quando citou político que inaugura até maquete em ano eleitoral, não sabia que o governador de São Paulo o tinha feito.

 

O governador do Paraná, Roberto Requião (PMDB), enfrentou vaias quando foi iniciar seu discurso e, no final, xingou os manifestantes. "Confesso a vocês que não entendi a ridícula vaia que alguns palhaços tentaram me colocar no começo de minha exposição."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.